Está considerando fazer uma vasectomia? Entenda como funciona o procedimento.

Está considerando fazer uma vasectomia

Apesar de ser um método contraceptivo muito eficaz e um procedimento relativamente simples, muitos homens ainda torcem o nariz para a vasectomia com medo dos possíveis efeitos colaterais da cirurgia, entre eles problemas na ereção. Mas este é um mito que precisa ser desfeito. A cirurgia de vasectomia deixa o homem estéril por interromper a circulação de espermatozóides produzidos pelos testículo, mas não afeta a produção de hormônios e tampouco atrapalha o desempenho sexual. Além disso, é um procedimento muito menos invasivo que a laqueadura de trompas feminina.

No entanto, mesmo que seja simples, ainda é uma decisão importante e séria e as cirurgias de reversão não garantem 100% de sucesso. Por isso, antes de fazer a cirurgia é importante que o paciente converse com sua parceira e com o médico sobre os prós e contras. Abaixo, respondemos algumas das dúvidas mais comuns sobre o procedimento.

Para quem a vasectomia é indicada?

A cirurgia é indicada para homens com mais de 40 anos que já tenham filhos. No entanto, antes da decisão de ir adiante com a cirurgia é preciso analisar alguns fatores. É uma decisão conjunta com a parceira? O relacionamento está estável? Como está a saúde mental do paciente? Apesar da possibilidade de reversão, ainda assim é um procedimento cirúrgico e todos os fatores da relação devem ser levados em consideração antes da tomada de decisão. Acontece de casais mais novos procurarem um médico para realizar o procedimento. Da mesma forma que ocorre com os mais velhos, a função do médico é falar dos prós e contras da cirurgia. No entanto, a decisão deve vir do paciente e sua parceira.

Como é feito o procedimento?

Como explicado anteriormente, o procedimento é simples. Durante a cirurgia, é feita uma pequena infiltração local com anestésico. Após, uma incisão de cerca de um centímetro é feita em cada lado do saco escrotal. O médico retira um fragmento de cada um dos canais que levam os espermatozóides dos testículos ao pênis. O paciente pode sentir um desconforto nesse momento. Em seguida, se anestesia o local novamente para a finalização do procedimento e, então, fecha-se a incisão. A cirurgia leva menos de 30 minutos e não há necessidade de internação.

Como é o processo de recuperação?

O paciente é liberado para voltar para casa logo após o procedimento. É possível, inclusive, voltar a trabalhar no mesmo dia. Em alguns casos, é relatado um pequeno desconforto testicular. Mas, no geral, não há relatos de mais complicações.

Após a cirurgia, é necessário utilizar um método anticoncepcional por cerca de 60 dias, pois alguns espermatozóides podem continuar vivos no canal. Por essa razão, após passado esse período, é obrigatória a realização de um espermograma para verificar que o sêmem não contém mais espermatozóides.

É possível reverter a vasectomia? Como funciona?

A reversão é, sim, viável. Feita de três a quatros anos após a vasectomia, o espermograma é bom em 90% dos casos e, em 70%, existe a chances de a mulher engravidar. Ao passar mais tempo, surgem obstruções abaixo do ponto onde foi feita a ligadura. Por causa disso, a cirurgia de reversão pode ficar mais complicada depois de um tempo. Não que seja impossível de ser feita, mas o procedimento é mais delicado que o inicial, da vasectomia, e requer muita perícia do cirurgião. O índice de gravidez para reversões feitas após dez anos de vasectomia varia entre 30 e 40%.

Tem mais perguntas sobre a vasectomia ou está considerando realizar o procedimento?Agende uma consulta e converse com o Dr. Alessandro Rossol.

Fonte Bibliográfica:

Vasectomia | Entrevista


http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/197_vasectomia.html

2 respostas

  1. Os testículos param de produzir espermatozoides depois da vasectomia?
    existe outro procedimento para a retirada de espermatozoide do testículo para uma inseminação in vitro?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?