Ejaculação Precoce

Consulta presencial e on-line

Descubra como prolongar o prazer das relações

A ejaculação precoce EP é disfunção sexual masculina caracterizada quando o homem ejacula sempre (ou quase sempre) dentro (cerca) de um minuto após a penetração.

Pode ocorrer desde a primeira experiência sexual ou ao longo da vida. Outro conceito é o de uma redução clinicamente significativa no tempo de latência, muitas vezes até cerca de 3 minutos ou menos de coito.

A incapacidade de retardar a ejaculação em todas ou quase todas as penetrações. A EP traz consequências pessoais negativas, como angústia, aborrecimento e frustração. Isso faz o homem evitar a intimidade sexual, piorando sua qualidade de vida.

A ejaculação precoce pode ser dividido em dois subtipos:

  • Primária: o paciente sempre teve o problema ao longo da vida, com sintomas de EP presentes desde a primeira relação sexual
  • Adquirida: o paciente apresenta sintomas de EP após um período de função ejaculatória satisfatória e normal.
  • A ejaculação anteportal é o termo para homens que ejaculam antes da penetração e é considerada a forma mais grave de PE.

O clímax sexual nos homens consiste em dois eventos fisiológicos distintos. O primeiro deles é o orgasmo, uma sensação de intenso prazer, relaxamento ou intimidade que acompanha o pico da excitação sexual. A segunda é a ejaculação, expulsão anterógrada do sêmen da uretra. Esses eventos são tipicamente simultâneos. No entanto, são processos fisiológicos distintos que podem ou não ocorrer de forma independente.

É normal que os homens tenham algum controle sobre o momento da ejaculação durante uma relação sexual. Homens que ejaculam antes ou logo após a penetração, sem senso de controle, e que experimentam sofrimento relacionado a essa condição podem ser diagnosticados com Ejaculação Precoce (EP).

Existem várias definições para Ejaculação Precoce (EP), mas a maioria não é baseada em evidências e carece de critérios operacionais específicos que dependem do julgamento subjetivo do urologista. As três construções mais comuns seguem a base da maioria das definições de EP:

I. uma curta latência ejaculatória – o tempo desde a penetração à ejaculação;

II. uma falta de autoeficácia percebida ou controle sobre o momento da ejaculação; e

III. angústia e dificuldade interpessoal (relacionadas com o disfunção ejaculatória).

A etiologia da ejaculação precoce não é conhecida. Até a data de hoje, nenhum fator biológico demonstrou ser o causador deste problema. A compreensão dos fenômenos neurobiológicos que compreendem a ejaculação e o orgasmo ainda é limitada.

Epidemiologia

A verdadeira prevalência de EP é difícil de avaliar na clínica. Embora até 30% dos homens tenham auto-relatado EP, poucos desses homens têm um tempo de latência da ejaculação (o tempo entre a penetração e a ejaculação) de menos de dois minutos, tornando a prevalência real de EP clínica em torno de 5%.

Sabemos que menos de 10% dos homens que sofrem de EP procuram ajuda médica.

Em uma revisão sistemática de estudos realizados entre 1997 a 2007, todos confirmaram consistentemente um alto nível de angústia pessoal relatado tanto por homens com EP quanto por suas parceiras.

O impacto negativo em homens solteiros pode ser maior do que em homens em relacionamentos, pois serve como uma barreira para buscar e envolver-se em novos relacionamentos. 

Tratamento

  • SSRIs (antidepressivos inibidores de recaptação da serotonina) diários ou clomipramina e dapoxetina sob demanda (quando disponível)
  • Anestésicos tópicos penianos 
  • Tramadol sob demanda para o tratamento da ejaculação precoce em homens que falharam na farmacoterapia de primeira linha.
  • Antagonistas dos adrenoreceptores α1 para o tratamento de homens com ejaculação precoce que falharam na terapia de primeira linha.
  • combinação de abordagens comportamentais e farmacológicas pode ser mais eficaz do que qualquer uma das modalidades isoladamente. 
  • Os médicos devem alertar os pacientes de que não há evidências suficientes para apoiar o uso de terapias alternativas no tratamento da ejaculação precoce. 
  • Os médicos devem informar aos pacientes que o manejo cirúrgico (incluindo injeção de agentes de volume) e circuncisão não deve ser indicado para a ejaculação precoce.

Outros distúrbios ejaculatórios

Ejaculação Retardada: existe uma população de homens que têm dificuldade em atingir o clímax sexual, às vezes a ponto de não conseguirem atingir o clímax durante a atividade sexual.

Hematospermia é definida como a presença de sangue no sêmen ejaculado. Pode se apresentar como sangue vermelho vivo, coágulos ou hemoderivados em desintegração. Embora alarmante, a hematospermia é quase sempre benigna; pode ser encontrada em associação com outras condições do trato urinário inferior. A avaliação deve prosseguir de acordo com os protocolos padrão com base nos sintomas associados e outros fatores de risco (por exemplo, idade, história de tabagismo, presença de hematúria, sintomas do trato urinário inferior [LUTS]).

Ejaculação retrógrada é definida como a condição na qual o sêmen não é ejetado anterógrado, mas flui para a bexiga durante o clímax. Isso geralmente ocorre devido à falha do colo da bexiga em fechar durante a fase de emissão e pode ser idiopático ou secundário à cirurgia do colo da bexiga, agentes farmacológicos ou lesão neurológica. Na maioria dos casos de ejaculação retrógrada, o orgasmo ocorre e é agradável. Alguns homens com ejaculação retrógrada podem relatar que sua experiência de orgasmo é qualitativamente diferente.

Anorgasmia pode ser conceituada como uma variante extrema da DE, na qual o orgasmo não pode ser alcançado. A CID-11 define anorgasmia como “a ausência ou infrequência marcante da experiência do orgasmo ou intensidade marcadamente diminuída das sensações orgásticas. O padrão de ausência, atraso ou diminuição da frequência ou intensidade do orgasmo ocorre apesar da estimulação sexual adequada, incluindo o desejo de atividade sexual e orgasmo, ocorre episodicamente ou persistentemente ao longo de um período de pelo menos vários meses e está associado a sofrimento clinicamente significativo. ” A CID-11 não distingue anorgasmia de DE e afirma que isso seria diagnosticado como DE masculino. Anorgasmia é considerada a condição na qual o clímax sexual não pode ser alcançado por meio de qualquer meio de estimulação.

Anejaculação se refere especificamente à ausência de ejaculação seminal com clímax sexual. A anejaculação pode ocorrer situacionalmente ou geralmente e também pode ocorrer com ou sem sensação orgástica. A anejaculação ocorre mais comumente no contexto de lesão neurológica (por exemplo, lesão da medula espinhal, doença neurodegenerativa, dissecção de linfonodo retroperitoneal).

Orgasmo anedônico é a condição em que ocorre a ejaculação, mas não está associada a sensações subjetivas de prazer, intimidade ou relaxamento. Esta condição é mal compreendida, mas pode estar relacionada a medicamentos (particularmente antidepressivos), lesões neurológicas ou causas psicogênicas.

Ejaculação dolorosa, também conhecida como dissejaculação, odinorgasmia, dor pós-orgástica, disorgasmia ou orgasmalgia, é uma condição mal compreendida que pode ter elementos psicológicos e orgânicos. Lesões pélvicas, traumas ou cirurgia podem ser fatores contribuintes e a ejaculação dolorosa costuma ser comórbida com outros tipos de síndromes de dor pélvica crônica. Homens com ejaculação dolorosa devem ser avaliados quanto a disfunção do trato urinário inferior e outras causas de dor pélvica crônica.

A síndrome da doença pós-orgásmica é um diagnóstico provisório aplicado a casos de sintomas somáticos que ocorrem em estreita associação com o clímax sexual. O POIS se distingue da ejaculação dolorosa pela presença de sintomas fora da pelve, como mal-estar, confusão, mialgias, fadiga ou outros problemas somáticos. A etiologia do POIS não é clara, mas pode ser uma reação autoimune, mediada por citocinas ou alérgica aos componentes seminais. A condição pode ser tratada empiricamente com anti-histamínicos, inibidores seletivos da recaptação da serotonina (SSRIs) e benzodiazepínicos.

O Dr. Alessandro Rossol é médico especialista em Andrologia. Realiza investigação, tratamento e acompanhamento de pacientes com ejaculação precoce e distúrbios ejaculatórios.  

Fonte Bibliográfica:

Diretrizes da AUA (Associação Americana de Urologia) 

https://www.auanet.org/guidelines/guidelines/disorders-of-ejaculation

Diretrizes da ISSM (Sociedade Internacional de Medicina Sexual)

https://issm.info/media/attachments/2021/08/17/03-clinical-guidelines—issm-patient-information-sheet-on-pe—vjan-2015.pdf

Conheça o Dr. Alessandro

Como médico cirurgião, tem se dedicado à realização de cirurgias do pênis, uso de microscopia e instrumentais cirúrgicos de alta precisão. O treinamento com estes materiais em estruturas anatômicas do trato gênito-urinário proporciona maior precisão e qualidade ao ato cirúrgico, aumentando as chances de sucesso do procedimento. Anualmente tem realizado cursos de aperfeiçoamento em Medicina Sexual nos Congressos da Associação Americana de Urologia e Conferências da ISSM – Sociedade Internacional de Medicina Sexual.

É especialista em cirurgias de Prótese Peniana, Doença de Peyronie, Tortuosidade Peniana Congênita, Varicocele, Hiperplasia da Próstata, Vasectomia e Reversão de Vasectomia.

  • Especialização em Cirurgia Urológica – Universidade Pierre et Marie Curie, Paris, França
  • Membro da ISSM – International Society for Sexual Medicine
    Membro da AUA – Associação Americana de Urologia
  • Especialista atuando em Urologia e Andrologia há 16 anos

Mais de 9000 cirurgias e procedimentos realizados

Especialização na França

Os pacientes operados pelo Dr. Rossol têm acesso ao celular pessoal do médico para tirar dúvidas que venham surgir no pós-operatório, garantindo assim uma assistência completa para o seu caso.

Dr. Alessandro Rossol

O conforto que você merece

A Clínica de Andrologia e Urologia Dr. Alessandro Rossol possui uma infraestrutura de alto padrão para atender com qualidade e excelência pacientes com problemas urológicos.

Espaço VIP para procedimentos

Agende uma consulta

Preencha o formulário abaixo para agendar uma consulta.

Agende uma consulta

Preencha o formulário abaixo para saber mais detalhes

Tudo sobre Ejaculação Precoce

Artigos

Mais artigos sobre:

48 Vídeos

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?