Terapia de tração peniana e dispositivos de ereção a vácuo na doença de Peyronie

RESUMO

A doença de Peyronie (DP) tem sido historicamente controlada por pelo menos 1 tratamento, incluindo suplementos orais ou medicamentos, injeções intralesionais ou cirurgia.

Terapias mecânicas adjuvantes também foram descritas, incluindo terapia de tração peniana (PTT) e dispositivos de ereção a vácuo (VEDs), embora dados relativamente limitados estejam disponíveis sobre seu uso com DP.

Neste estudo, os autores revisam e resumem a literatura publicada sobre o papel e a eficácia da terapia de tração peniana (PTT) e dispositivos de ereção a vácuo (VEDs) em homens com doença de Peyronie (DP).

Uma busca no PubMed (banco online de estudos  científicos) foi realizada em todas as publicações sobre PTT e VED em homens com DP desde o início até setembro de 2017.

Foram analisados: mudanças na curvatura peniana, comprimento, circunferência, função erétil e eventos adversos com PTT ou VED.

PTT e VED exibem mecanismos para melhorar os aspectos da DP, embora os dados dos resultados clínicos sejam limitados.

Com base nos dados atuais, o PTT provavelmente tem um papel potencial como terapia de alongamento primária, na correção da curvatura (fase aguda; papel duvidoso na fase crônica), antes da inserção da prótese peniana e após a correção cirúrgica da DP. O papel do PTT como terapia combinada durante as injeções de colagenase Clostridium histolyticum não está claro.

Estudos com nível de evidência menor e menor estão disponíveis sobre VEDs e sugerem papéis potenciais na correção da curvatura, antes da colocação da prótese peniana ou após a cirurgia de DP. Declarações de diretrizes da American Urological Association e International Consultation on Sexual Medicine também apóiam o papel potencial do PTT e VED no tratamento da DP.

Conclusões: PTT e VED representam opções terapêuticas viáveis para o manejo da DP, com mais dados disponíveis atualmente no PTT. Como todos os estudos de PTT usaram um estilo semelhante de dispositivo de tração, não está claro se os resultados refletem os resultados desses dispositivos específicos ou a tração de forma mais ampla.

 

ESTUDO COMPLETO

A doença de Peyronie (DP) é uma condição clínica caracterizada por inflamação e cicatrização da túnica albugínea. Estimativas epidemiológicas sugerem que a condição afeta 1% a 13% dos homens, com estimativas de até 20% em populações selecionadas, como aquelas com disfunção erétil (DE) e diabetes.1, 2, 3, 4, 5 Homens afetados por A DP tem apresentações variadas, incluindo deformidade peniana, encurtamento, dor e função sexual prejudicada, e frequentemente relata sofrimento significativo do paciente ou parceiro. 6, 7, 8, 9
A gestão da DP mudou notavelmente nos últimos anos. Historicamente, a doença era tratada com uma combinação de terapias orais e intralesionais para tratamento conservador e cirurgia como terapia padrão ouro definitiva. No entanto, mais recentemente, os algoritmos de tratamento recomendado mudaram significativamente, com mudanças nas terapias conservadoras recomendadas e a introdução de novos agentes potenciais de primeira linha.
Os tratamentos orais tornaram-se menos comumente prescritos na prática contemporânea devido aos dados de resultados inconsistentes ou negativos e à disponibilidade de terapias preferidas. Na recente diretriz da American Urological Association sobre DP de 2015, os especialistas do painel recomendaram contra vários agentes comumente usados, incluindo vitamina E com ou sem L-carnitina, tamoxifeno, ácidos graxos ω-3 e procarbazina.
As terapias intralesionais também passaram por mudanças significativas com a introdução da colagenase Clostridium histolyticum (CCH) .11 Após a aprovação da Food and Drug Administration e com base em resultados consistentes publicados em várias séries, o CCH substituiu amplamente as injeções de verapamil ou interferon. Em uma série recente, metade dos pacientes tratados com CCH acreditava que ele evitava a cirurgia, sugerindo que o CCH poderia ser usado como terapia de primeira linha para o tratamento da DP.12
Além dessas terapias, o uso de dispositivos mecânicos, como a terapia de tração peniana (PTT) e dispositivos de ereção a vácuo (VEDs), ganhou popularidade no tratamento contemporâneo da DP. O interesse recente é provavelmente devido, em parte, à baixa morbidade e natureza não invasiva, efeitos colaterais de terapias alternativas, sucesso conhecido em outros distúrbios fibróticos (terapia de tração especificamente) e relativa escassez de opções de tratamento disponíveis para controlar o encurtamento peniano. Os papéis potenciais para essas modalidades incluem terapia autônoma para alongamento ou correção de curvatura, para uso adjuvante com injeções de CCH, interferon ou verapamil, ou como um regime de rotina no perioperatório para otimizar os resultados.

PTT e mecanismo
PTT, por definição, é o uso de forças mecânicas para alongar ou esticar o pênis. A tração tem sido usada no tratamento de várias doenças em todo o corpo, incluindo a correção de deformidades dentárias, contraturas de membros e desvios da coluna vertebral (escoliose). Em um nível celular, a terapia de tração estimula a mecanotransdução, que posteriormente altera a composição da matriz extracelular, modula a apoptose, altera a expressão gênica e, por fim, incentiva a proliferação celular.13,14 Chung e cols.15 realizaram uma nova avaliação do impacto das forças de tração sobre Culturas de células PD e diminuições encontradas na atividade de miofibroblastos e regulação positiva das metaloproteinases da matriz. Dada a associação da atividade dos miofibroblastos e indução de fibrose através de mediadores inflamatórios, este estudo sugere um mecanismo direto pelo qual o PTT pode afetar a DP.16, 17, 18, 19 Esses achados são posteriormente apoiados por pesquisas na contratura de Dupuytren, em que a aplicação de a tração resulta na remodelação do colágeno e na resolução clínica da nodularidade fibrótica.20 Esses achados são particularmente relevantes, dado o mecanismo fisiopatológico comum compartilhado pela doença de Dupuytren e DP.
VED e mecanismo
O conceito de VED como tratamento para DE foi descrito já em 1874, com subsequente popularização na década de 1960.21 No entanto, seu papel como tratamento para DP está menos estabelecido. Mecanicamente, o VED resulta em dilatação dos seios cavernosos, fluxo sanguíneo venoso retrógrado e aumento do influxo arterial.22,23 O suprimento adicional de sangue peniano aumenta a oxigenação do tecido cavernoso, com 1 estudo de homens após prostatectomia relatando um aumento de 55% na oxigenação após 60 sessão de tratamento de um minuto.24 Os marcadores moleculares intracorporais também são afetados pela aplicação de VED, incluindo diminuições no fator 1a indutível por hipóxia, fator de crescimento transformador (TGF) -β1, colagenase e apoptose e aumentos na sintase de óxido nítrico endotelial e α-smooth actina muscular.25 Vários desses fatores são relevantes para a DP, principalmente o TGF-β1, devido ao seu papel na patogênese da doença. Esses achados também são apoiados por um estudo mais recente avaliando o impacto de VED e PTT em um modelo de DP em ratos, no qual os resultados mostraram preservação aprimorada de α-actina de músculo liso e diminuição de TGF-β1 com VED vs PTT.26

Mirar
Nosso objetivo foi revisar e resumir a literatura publicada sobre o papel e a eficácia do PTT e VED em homens com DP.
Métodos
Dada a limitada literatura disponível sobre PTT e VEDs em DP, uma busca no PubMed foi realizada de todos os artigos que incluíam os termos tração, vácuo ou alongamento e doença de Peyronie. A linha do tempo para a pesquisa foi do início até setembro de 2017. Quando disponíveis, os principais resultados foram resumidos, incluindo mudanças no comprimento, curvatura e / ou circunferência do pênis. Os artigos foram subsequentemente divididos por categorizações de tratamento, incluindo seu uso como terapia independente, combinação com outros tratamentos ou como terapia adjuvante pré ou pós-tratamento. Devido às diferenças na história natural da DP, os artigos também foram diferenciados com base na população subjacente, estando na fase aguda (definida como <12 meses, salvo indicação em contrário) ou na fase crônica (≥12 meses). Dada a escassez de dados disponíveis e heterogeneidade significativa nas populações e protocolos de tratamento, uma meta-análise não foi tentada. Todos os resultados estão resumidos abaixo. A Figura 1 apresenta um algoritmo de tratamento sugerido, incluindo etapas nas quais PTT ou VED possuem dados que suportam seu uso.

Resultados
PTT em PD
Tratamento primário para DP
Vários estudos relataram resultados de PTT como terapia primária para homens com TP (Tabela 1). 27, 28, 29 Em um estudo piloto inicial, Levine e cols.29 compararam os resultados pré e pós-tratamento de 10 homens (idade média = 56 anos) em tratamento com FastSize Penile Extender (FastSize, LLC, Aliso Viejo, CA, EUA). Todos os homens estavam na fase crônica da DP (duração média = 29 meses) e foram recomendados o uso do dispositivo por 2 a 8 horas diárias durante 6 meses (uso real = 4,5 horas / dia). Após o tratamento, os pesquisadores identificaram melhorias não estatisticamente significativas no comprimento (média = +1 cm), circunferência (+0,5 a +1,0 cm), curvatura (−22 °) e função erétil (Índice Internacional de Função Erétil de 6 itens Pontuação [IIEF-6] = +5,3).

Um estudo de fase II semelhante de 15 homens com DP (idade média = 53 anos) foi realizado por Gontero et al.28 Os critérios de inclusão foram fase crônica de DP (> 12 meses, sem dor no pênis), curvatura menor que 50 ° e leve ou sem ED. Os homens foram recomendados a usar o dispositivo Andropenis (Andromedical, New York, NY, EUA) por pelo menos 5 horas diárias durante 6 meses (uso real = 5–5,5 horas). Os resultados em 6 meses mostraram aumentos estatisticamente significativos nos comprimentos flácidos (+1,3 cm) e alongados (+0,8 cm) e alterações não estatisticamente significativas na curvatura e circunferência (−4 ° e 0,1 cm, respectivamente). Os resultados foram mantidos em 12 meses, e nenhuma mudança significativa foi observada com a função erétil (pontuação IIEF = +0,9) ou características da placa peniana.
No maior estudo de PTT até o momento, Martinez-Salamanca e cols.27 estudaram prospectivamente o PTT vs nenhuma terapia na fase aguda da DP (definida como curvatura progressiva> 15 ° ou dor nos últimos 12 meses). 96 homens foram acompanhados prospectivamente (não randomizados, rótulo aberto), com 55 homens submetidos a PTT com o Andropeyronie (Andromedical, Madrid, Espanha; semelhante ao Andropenis). Homens que optaram por usar o PTT foram recomendados a usar o dispositivo por 6 a 9 horas diárias. As visitas de acompanhamento foram realizadas em 1, 3, 6 e 9 meses, momento em que a conformidade com a terapia foi revisada (diários não foram obtidos). 8 homens (8%) do grupo PTT original (original N = 63) foram excluídos devido à incapacidade de usar o dispositivo conforme indicado ou falta de acompanhamento suficiente. Não foram feitas comparações estatísticas das características entre os grupos, com o grupo PTT demonstrando comprimento peniano de linha de base mais curto, curvaturas maiores (incluindo uma taxa maior de curvatura> 45 °) e uma taxa maior de dor peniana atual. Após o tratamento, os usuários de PTT foram estatisticamente mais propensos a experimentar aumentos no comprimento (+1,5 vs -2,6 cm) e circunferência (+0,9 vs -0,1 cm) e diminuição da curvatura (-18 ° vs + 23 °). A função erétil também melhorou significativamente com PTT (pontuação IIEF-6 = +6 vs -6), e uma porcentagem maior de homens poderia ter relações sexuais com penetração (+ 27% vs -9%) em comparação com aqueles que não usam tração. Na análise multivariável, vários fatores foram considerados preditivos do sucesso do tratamento, incluindo idade inferior a 45 anos (razão de risco [HR] = 1,19), apresentação inferior a 3 meses do início da doença (HR = 2,26), curvatura basal inferior a 45 ° (HR = 2,26), escore de dor peniana maior que 5 (HR = 1,69) e ausência de placas na ultrassonografia peniana (HR = 2,45). Os resultados foram mantidos em 9 meses.
Além da DP, a diminuição do comprimento do pênis ocorre em várias outras condições, incluindo diabetes, distúrbios penianos congênitos e após a prostatectomia radical, entre outros.34, 35, 36 Embora outras condições além da DP estejam fora do escopo da presente revisão, porque a extensão é uma preocupação fundamental com PD e, dada a relativa escassez de publicações de PTT e PD, 2 estudos notáveis de populações não-PD são incluídos como uma prova de conceito37, 38
Nikoobakht e cols.37 realizaram um estudo prospectivo de 23 pacientes (idade média = 26,5 anos) que apresentavam queixas de “pênis curto”. O desfecho primário foram as mudanças no comprimento do pênis flácido e alongado em comparação com a linha de base após o PTT por 3 meses (4-6 horas / dia nas primeiras 2 semanas seguidas de 9 horas / dia no período restante). Todos os homens usaram o dispositivo GoldenErect (Ronas Tajhiz Teb, Teerã, Irã). Aos 3 meses, os resultados mostraram um aumento significativo no comprimento do pênis flácido (+1,7 cm) e alongado (+1,7 cm), sem alteração na circunferência. Notavelmente, aumentos no comprimento foram identificados logo após 1 mês de uso. Nowroozi e cols.38 também avaliaram os efeitos do PTT (Andropenis) no alongamento peniano em uma coorte de 44 homens (idade média = 30 anos) com dismorfofobia peniana. Os pacientes foram instruídos a usar PTT por 4 a 6 horas por dia durante 6 meses. Após 6 meses de terapia, aumentos estatisticamente significativos foram observados nos comprimentos de pênis flácido (+1,7 cm), alongado (+1,2 cm) e ereto (+1,3 cm). Tal como acontece com outros estudos, os resultados pareceram duráveis, sem alterações significativas na duração relatada no acompanhamento de 3 meses ou em 23 pacientes que foram acompanhados por uma média de 32 meses.

Combinação de PTT e injeções intralesionais
Vários estudos também examinaram o uso concomitante de PTT em conjunto com tratamentos não cirúrgicos para DP. Abern e cols.32 estudaram a eficácia do PTT em um estudo aberto prospectivo de 74 homens com DP aguda. Todos os homens receberam tratamento com injeções intralesionais de verapamil 10 mg / 10 mL, L-arginina 1 g duas vezes ao dia e pentoxifilina 400 mg três vezes ao dia, com o grupo 1 (n = 39) recebendo PTT e o grupo 2 (n = 35) recebendo não PTT. Os pacientes que optaram por usar PTT (dispositivo obtido na US PhysioMED, Irvine, CA, EUA; equivalente ao Andropenis) foram orientados a aplicar tração por 2 a 8 horas diárias (uso médio = 3,3 horas / dia). Os resultados demonstraram diminuições significativas na curvatura da linha de base nos 2 grupos (PTT = −11 °, sem PTT = −15,1 °), sem diferenças identificadas com base no uso de PTT. O comprimento do pênis alongado não aumentou significativamente (+0,3 cm, P = 0,06) no grupo PTT e diminuiu no grupo não PTT (−0,7 cm, P = 0,46). No geral, 49% dos pacientes que receberam PTT melhoraram o comprimento do pênis alongado em comparação com 9% sem PTT. Com base na análise multivariável, o único preditor significativo de aumento do comprimento do pênis alongado foi a duração do uso diário de PTT.
Um estudo mais recente de Yafi e cols.31 comparou os resultados de homens tratados com injeção intralesional de interferon α-2b e PTT (AndropenisR, n = 34) vs interferon sozinho (n = 78). Semelhante ao estudo de Abern et al, 32 os resultados não mostraram diferenças estatisticamente significativas na mudança no comprimento peniano alongado (PTT = +0,24 cm vs nenhum PTT = +0,13 cm), mudança na curvatura (−8,1 ° vs −9,1 °), ou circunferência peniana (+0,32 vs +0,21 cm). Um achado importante foi que, em comparação com o uso de PTT por menos de 3 horas, o uso de PTT por pelo menos 3 horas resultou em um aumento significativo no comprimento peniano alongado de +0,31 cm.
Apenas 1 estudo avaliou o papel do PTT em homens submetidos à terapia com CCH.30 Ziegelmann e cols.12 relataram resultados de 51 homens com DP (idade média = 58 anos) que foram acompanhados prospectivamente durante a terapia com injeção de CCH. Os pacientes foram recomendados a usar tração com o dispositivo Andropenis por pelo menos 3 horas diárias. 35 homens optaram por usar PTT e foram comparados com 16 homens tratados apenas com CCH. Os critérios de inclusão e o algoritmo de injeção foram congruentes com os descritos no estudo IMPRESS. No geral, os homens tratados com CCH exibiram diminuições significativas na curvatura peniana, consistente com os ensaios de fase III. Quando estratificado por PTT, nenhuma diferença estatisticamente significativa foi identificada na melhora da curvatura peniana média (PTT = −19,6 ° vs nenhum PTT = −23,6 °) ou comprimento peniano alongado (+0,4 vs −0,35 cm). Múltiplas análises adicionais não conseguiram demonstrar significância entre os grupos, incluindo aqueles no quartil superior do uso de tração vs nenhum PTT. É interessante notar que, apesar da recomendação de usar tração por pelo menos 3 horas por dia, apenas 3 dos 35 pacientes foram totalmente aderentes, destacando o desafio clínico de prescrever PTT por períodos prolongados.

Combinação de PTT e cirurgia
O PTT foi estudado como uma terapia adjuvante antes da colocação de uma prótese peniana e após a cirurgia de DP. Embora o papel do PTT na DE esteja além do escopo da presente revisão, os dados são relevantes porque demonstram o papel potencial na melhora do comprimento do pênis no período perioperatório, uma preocupação fundamental com DP e cirurgia de DP. Levine e cols.39 avaliaram os resultados de 10 homens submetidos ao PTT (FastSize) antes da colocação da prótese peniana e relataram um aumento médio de + 1,6 cm no comprimento peniano e + 0,9 cm de aumento no comprimento total da prótese naqueles que usam tração. Os pacientes foram obrigados a usar os dispositivos por pelo menos 2 horas por dia durante 2 a 4 meses, com 60% relatando dificuldade de adesão.
O PTT também foi avaliado como um tratamento para correção pós-cirúrgica de DP. Rybak e cols.33 relataram uma análise retrospectiva de 111 homens que realizaram PTT (US PhysioMed) após plicatura da túnica ou excisão parcial e cirurgia de enxerto. Todos os homens foram recomendados para começar a tração 3 a 4 semanas após a cirurgia por 2 a 6 horas diárias durante 3 meses. O uso médio variou de 3,4 a 3,6 horas diárias, 5 dias por semana. Os resultados demonstraram melhorias estatisticamente significativas no comprimento do pênis nas coortes de plicatura (+0,6 vs −0,5 cm) e enxerto (−0,4 vs −1,6 cm) naqueles que optaram por usar tração. Digno de nota, as mudanças no comprimento representam os valores pós-operatórios da terapia de tração pré vs pós-tração e não o comprimento final vs pré-operatório.
VEDs em PD
Tratamento primário para alongamento
Até o momento, nenhum estudo avaliou diretamente a eficácia do VED no aumento do comprimento do pênis em homens com DP. No entanto, vários estudos demonstraram a capacidade dos VEDs de manter ou aumentar o comprimento em outras configurações clínicas. Dada a importância do comprimento do pênis em homens com DP, esses estudos foram incluídos para destacar a capacidade e a extensão dos aumentos de comprimento relatados com o uso de VED.
Dos homens submetidos à colocação de uma prótese peniana, Canguven e cols.40 relataram um aumento de + 0,8 cm no comprimento peniano quando um VED foi usado 10 a 15 minutos por dia durante os 30 dias antes da inserção da prótese em comparação com controles randomizados. Esses achados são consistentes com outros estudos retrospectivos que demonstraram aumentos no tamanho da prótese inserida após o início de um programa VED pré-operatório.41
VEDs também foram avaliados em homens submetidos à reabilitação peniana após a prostatectomia. Kohler e cols.42 realizaram um estudo randomizado de 28 homens submetidos a tratamento precoce (1 mês) versus tardio (6 meses) com VED após prostatectomia. Os resultados demonstraram uma taxa significativamente maior de perda de comprimento peniano no grupo atrasado em comparação com a intervenção anterior. Esses achados também são consistentes com outros relatórios que demonstraram resultados semelhantes quando usados após a prostatectomia.43, 44
Tratamento primário para correção de curvatura
Existem dados muito limitados sobre o papel do VED como terapia de tratamento primária para DP (a Tabela 2 apresenta um resumo dos estudos que avaliam o uso de VED em homens com DP). Uma série prospectiva realizada por Raheem e cols.46 relatou desfechos de 31 homens que foram tratados com VED por 10 minutos, duas vezes ao dia por 12 semanas. Os participantes estavam em várias fases da doença (aguda e crônica; duração média da DP = 10 meses) e usaram diários para avaliar a adesão.

Após o tratamento, 67% dos homens apresentaram melhora de 5 ° a 25 ° na curvatura, enquanto 10% pioraram e 23% não apresentaram alteração. É interessante notar que a curvatura da linha de base, a duração da doença e a presença de dor não foram associadas aos resultados, enquanto a rigidez da placa foi um forte preditor (82% com placas moles responderam vs 60% com placas duras). O comprimento do pênis aumentou em 35% dos pacientes (0,5–1,5 cm), ao passo que nenhuma alteração na circunferência do pênis ou deformidades da cintura foi identificada em nenhum paciente. Embora as melhorias de curvatura e comprimento tenham sido significativas em comparação com a linha de base, dada a falta de um grupo de controle, não está claro até que ponto essas mudanças foram devido ao uso de VED versus em função da história natural da DP.
Em um modelo animal de DP, Lin e cols.26 compararam o PTT (20 minutos, 3 vezes ao dia) e o VED (5 ciclos de 1 minuto por dia) com controles. Após 4 semanas de tratamento, os 2 tratamentos resultaram em melhorias estatisticamente significativas na curvatura peniana. Na comparação das terapias, os ratos do grupo PTT exibiram as maiores melhorias na correção da curvatura, enquanto o uso do VED resultou em medidas mais altas da função erétil.
Terapia combinada
Atualmente, nenhum estudo foi publicado comparando os resultados de homens tratados com ou sem VED durante as injeções intralesionais. No entanto, existem dados disponíveis sobre o uso concomitante de VED e injeção ou terapias cirúrgicas para DP. Um estudo observacional recente avaliou um protocolo modificado de 3 injeções para administração de CCH combinado com o uso de VED entre os intervalos de injeção.45 Todos os homens (N = 53) estavam na fase crônica da doença e usaram uma combinação de modelagem manual, alongamento e VED (1–2 minutos diários começando no dia 3 após a injeção) entre os ciclos de 4 semanas. Os resultados demonstraram melhorias médias estatisticamente significativas na curvatura (média = −17 °) e comprimento (média = +0,4 cm) após o tratamento. No entanto, dada a falta de um grupo de controle e o primeiro relatório desse tipo do novo protocolo de injeção encurtado, não é possível determinar qual papel, se houver, o VED contribuiu para os resultados relatados.
Um estudo muito limitado de 4 homens relatou o uso adjuvante de um VED após a incisão e cirurgia de enxerto para DP.47 Todos os homens foram submetidos a incisões penianas circunferenciais com alongamento do pênis e enxerto venoso. A partir de 1 mês após a cirurgia, os homens foram incentivados a usar um VED 30 minutos por dia durante 6 meses. No acompanhamento de 6 meses, os homens que usaram o VED ganharam 5 centímetros no comprimento do pênis em comparação com 1 polegada no homem que não usou a terapia de DE. No acompanhamento de 18 meses, 2 homens que continuaram a usar o VED relataram um aumento no comprimento de 3 polegadas. Como no estudo observado anteriormente, dada a ausência de um verdadeiro grupo de controle e o pequeno número de pacientes, é difícil determinar o impacto isolado dos VEDs neste cenário clínico.

Eventos adversos
Os eventos adversos não foram estudados de maneira rigorosa com PTT ou VED em homens com DP, embora apenas problemas menores e limitados tenham sido identificados com qualquer uma das terapias. Os sintomas mais comumente relatados com PTT incluem eritema (0–2%), dor transitória (0–25%), equimoses (0–13%) e prurido (0–7%). Os sintomas relatados com o uso de VED em homens com DP incluíram hematoma (9%; ocorreram quando usados com terapia de CCH) e ingurgitamento venoso doloroso (5%). Digno de nota, na maioria dos estudos em que o PTT foi recomendado por períodos prolongados, os homens foram instruídos a remover o dispositivo por pelo menos 15 minutos a cada 2 horas para evitar isquemia glanular. Da mesma forma, o uso de VED foi recomendado por períodos não superiores a 30 minutos para limitar a possibilidade de isquemia e outros eventos adversos. De interesse para o tópico de DP, relatos de casos históricos descreveram o desenvolvimento de DP após o uso de um VED para DE, embora não esteja claro se isso estava relacionado à pressão do vácuo ou à banda de constrição para manter a ereção.48, 49
Limitações de estudos
Os dados atuais sobre a eficácia do PTT ou VED em homens com DP são muito limitados. A maioria dos estudos é pequena, e nenhum usa um protocolo randomizado. Dos estudos prospectivos, todos foram realizados de forma aberta, onde os homens podiam selecionar seu braço de tratamento. Isso introduz vieses significativos, porque os homens que optam pelo PTT podem representar uma população mais motivada, o que pode contribuir para resultados positivos. Alguns estudos falharam em avaliar as diferenças nas características basais entre as coortes, e a maioria não tinha alimentação adequada para detectar melhorias na curvatura, que, com base nos resultados dos estudos IMPRESS I e II, requerem mais de 100 homens para identificar os efeitos moderados da terapia.11 Além disso, vários estudos não incluíram grupos de controle (particularmente em estudos VED). Esses são essenciais em coortes de DP, dada a conhecida variabilidade que ocorre na DP, mesmo na fase crônica da doença.35,50 Apesar disso, Yafi e cols.51 realizaram uma excelente revisão avaliando as opções de tratamento para pacientes com DP atípica que avançou nosso conhecimento sobre o processo da doença.
Os presentes estudos também são limitados na variedade de dispositivos testados. Embora o mecanismo com VED seja tal que o dispositivo específico seja provavelmente menos relevante (desde que um vácuo possa ser gerado), os dispositivos PTT são variáveis e têm diferentes quantidades de tração e extensão fornecidas. A maioria dos estudos de PTT disponíveis atualmente usa o dispositivo Andropenis, com todos os outros usando um tipo de design semelhante. Não está claro se os resultados desses estudos podem ser extrapolados para outros dispositivos e sistemas.
Declarações de orientação
2 diretrizes notáveis foram publicadas sobre o papel do PTT e VED no tratamento da DP.10,52 Em 2015, a American Urological Association lançou uma diretriz sobre a DP e incluiu 2 declarações (18 e 19) que sugeriam que um VED pode ser usado em combinação com plicatura peniana ou incisão ou excisão e cirurgia de enxerto. A tração peniana não é especificamente mencionada em uma declaração de diretriz específica, embora esteja incluída no texto de apoio como uma terapia potencial solitária ou combinada que requer validação adicional.

Outra diretriz mais específica sobre VED e PTT foi publicada em 2016 e incluiu declarações de um painel de consenso de especialistas em medicina sexual reunidos durante a Consulta Internacional sobre Medicina Sexual em 2015.52 As recomendações finais indicaram que o PTT pode ser usado em vários ambientes clínicos, incluindo moderadamente melhorar o comprimento peniano (afirmação 1), antes da colocação da prótese peniana ou após a cirurgia de DP para otimizar os resultados (afirmação 2), ou para melhorar a curvatura peniana na fase aguda da DP (afirmação 3). Em contraste, os benefícios do PTT na fase crônica da DP não foram bem estabelecidos e exigiram mais estudos (afirmação 4). As declarações sobre VED em DP sugeriram que, com os dados limitados disponíveis, ele poderia ter um papel como um tratamento primário ou no pós-operatório após a incisão ou excisão e cirurgia de enxerto (declaração 4).
Conclusão
PTT e VEDs têm sido usados em vários ambientes clínicos para melhorar o comprimento ou função peniana, embora dados relativamente limitados estejam disponíveis sobre seu papel no tratamento da DP. As 2 terapias exibem mecanismos de ação que atuam no nível celular, com o PTT demonstrado resultar diretamente na remodelação das placas penianas e as 2 terapias demonstrando efeitos nos marcadores moleculares de fibrose. Com base em dados publicados, o PTT tem vários papéis potenciais na DP, incluindo como terapia primária para alongamento, correção de curvatura (predominantemente na fase aguda da doença, com dados insuficientes disponíveis na fase crônica) ou como tratamento adjuvante após DP cirurgia ou antes da colocação da prótese peniana. Dados insuficientes estão disponíveis para sugerir um papel para PTT durante as injeções de CCH. Uma consideração importante com o PTT é a adesão do paciente à terapia, porque o uso diário do dispositivo por pelo menos 2 a 3 horas é normalmente recomendado.
A variação na adesão do paciente à terapia é provavelmente uma das principais causas da heterogeneidade nos resultados entre os estudos. O papel do VED na DP é menos bem estabelecido, com dados limitados sugerindo um possível papel na correção da curvatura, após a cirurgia de DP ou antes da colocação da prótese peniana. Os VEDs também mostraram manter o comprimento peniano após a prostatectomia, o que pode sugerir indiretamente um possível papel como terapia primária de alongamento na DP. Dada a sua natureza conservadora e poucos efeitos colaterais, o PTT e o VED representam opções de tratamento atraentes para a DP. No entanto, estudos clínicos adicionais robustos são necessários para determinar melhor sua verdadeira eficácia e papel no tratamento da DP. Dados adicionais também são necessários para avaliar se os resultados refletem o PTT como um todo ou apenas um projeto específico. A Figura 1 apresenta um algoritmo de tratamento sugerido. 53, 54, 55, 56, 57

 

Fonte Bibliográfica:

Artigo de revisao da ISSM – International Society for Sexual Medicine

https://www.smr.jsexmed.org/article/S2050-0521(18)30019-2/fulltext

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?