Dor testicular crônica – um problema que afeta muitos homens

Dor testicular crônica é uma condição comum, mas pouco compreendida. Até 4,3%
dos homens que vêm a uma clínica de urologia para consultar sofre deste problema.
Apesar de sua alta prevalência, a condição permanece geralmente mal entendidos, com diagnóstico impreciso e frustrantes. Os pacientes costumam ir em vários médicos para tratamento.
Para complicar ainda mais essa situação, a dor testicular crônica tem um impacto negativo significativo na qualidade de vida e no humor dos pacientes. Mais de 50% deles relatam limitações à sua atividade diária, capacidade limitada de trabalhar,
diminuição da atividade sexual e distúrbios do humor (depressão).
A própria comunidade dos urologistas sofre da falta de diretrizes para tratar homens com este problema.

Estudos mostraram que as causas mais comuns identificáveis de dor direta
às estruturas escrotais são principalmente urológicas:

  • Vasectomia
  • Traumatismo
  • Infecção
  • Cirurgia Prévia de Hérnia
  • Doenças do Epidídimo
  • Outras causas (hidrocelectomia, ressecção transuretral da próstata, orquiectomia, nefrectomia para doação de órgão)

Causas desconhecidas
Os urologistas são frequentemente os primeiros especialistas a avaliar homens com este tipo de dor. Existe um algoritmo simples para a avaliação diagnóstica para estes pacientes.
A história e exame físico são importantes na avaliação diagnóstica, enquanto testes de laboratório ou exames de imagem não são componentes de rotina da investigação deste tipo de dor.
A avaliação inicial normalmente busca identificar causas conhecidas da dor e
a necessidade de avaliação com transtornos mentais profissionais de saúde.

Tratamentos para algumas das condições específicas que causam dor são muitas vezes bem sucedidos de acordo com a experiência do urologista.

Muitos homens terão  dor testicular crônica idiopática. Idiopática significa não ter causa definida. Para esses homens, a terapia inicial é conservadora.

Para aqueles com sensibilidade focal no escroto, antibióticos empíricos e / ou terapias anti-inflamatórias podem ser usadas. Se essas abordagens falharem, então agentes neuropáticos, como  antidepressivos tricíclicos podem controlar dor para quase dois terços dos homens.

Bloqueio do nervo testicular pode ser eficaz no alívio da dor a curto prazo.
Finalmente, terapias mais invasivas para a dor podem ser eficazes, mas os pacientes devem ser aconselhados sobre os resultados esperados.
Para condições específicas bem caracterizadas, como dor de varicocele ou epidídimo doloroso, cistos, a cirurgia podera ser bem bem sucedida.

Síndrome da dor pós-vasectomia pode ser tratado com reversão de vasectomia com altas taxas de sucesso.

Outras cirurgias como remoção do epidídimo ou orquiectomia também foram usadas para estes pacientes.

Procedimentos para desnervar o testículo, interrompendo os nervos ilioinguinal e
genitofemoral, podem ser de curta duração (bloqueios nervosos usando a toxina onabotulínica A, radiofrequência ablação ou anestésicos injetáveis) ou mais permanente (desnervação microcirúrgica do cordão espermático).

 

Fonte Bibliográfica:

AUA News, abril/2020

https://epub.auanet.org/publication/?m=52864&i=656156&p=0

2 respostas

  1. Boa tarde. Sofro de dor crônica no testículo direito há cerca de 1 ano. Fiz todos os tratamentos conservadores possíveis. Essa dor é bastante incapacitante. Gostaria de saber se o senhor realiza o procedimento de denervação do cordão espermatico para o tratamento definitivo da ORQUIALGIA CRÔNICA. Desde já agradeço e aguardo retorno.

    1. Olá Leandro! Sim, realizo o procedimento. Vale lembrar que um teste com bloqueio anestésico local sempre deve ser realizado preliminarmente. Estou à disposicao para atendimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?