Estenose de JUP

JUP: Junção Uretero-Pélvica

O diagnóstico da estenose de JUP é realizado funcionalmente pela impossibilidade de transporte da urina da pelve renal para o ureter. Mesmo sendo a maioria dos casos uma malformação congênita, os sintomas poderão aparecer num período tardio da vida do paciente. A obstrução congênita usualmente resulta de uma doença intrínseca.

O defeito frequentemente encontrado é a presença de um segmento do ureter sem peristalse (movimento peristáltico). Estudos mostram que até 40% dos casos de estenose de JUP ocorrem pela presença de vasos anômalos. São vasos aberrantes polares que cruzam e obstruem a região da junção entre a pelve renal e o ureter.

estenoseEste esquema ilustrativo evidencia a presença de um vaso anômalo (veia) em pólo inferior do rim causando obstrução da JUP – Junção Uretero-Pélvica

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL – Algumas situações clínicas podem se apresentar com quadro semelhante à estenose de JUP. São elas: cálculos renais, processo inflamatório do rim, tumores do urotélio. Por este motivo há rigorosamente necessidade de avaliação da patologia urinária por médico urologista.

EXAMES DE IMAGEM são fundamentais para a localização do ponto de obstrução.

O ULTRASSOM é o exame inicial, de triagem, que usualmente evidencia dilatação das cavidades do rim (que é um dos sinais da estenose de JUP). Ele não demonstra com precisão a área de estenose.

estenose
Ecografia demonstrando dilatação do sistema coletor renal.

A UROGRAFIA EXCRETORA é o exame de primeira escolha após a suspeita diagnóstica levantada na ecografia. Classicamente o exame demonstra o lado afetado com atraso na excreção associado à dilatação do sistema pielocalicial.

estenoseEsta Urografia Excretora mostra dilatação do sistema coletor do lado direito. Repare o atraso na excreção do contraste deste lado. No lado esquerdo o contraste já foi completamente eliminado do rim.
Tomografia com Contraste mostra dilatação da pelve renal esquerda
estenoseTomografia computadorizada com reconstrução em 3 Dimensões mostrando a dilatação do sistema coletor do rim direito.

estenose de JUP recons

Na tomografia computadorizada com reconstrução em 3D acima é possivel visualizar o rim direito dilatado e a ausência de contraste no ureter do mesmo lado


A CINTILOGRAFIA RENAL com DTPA ou MAG3 é o exame de imagem que demonstra, funcionalmente, o retardo de excreção do rim acometido pela estenose. É um exame não invasivo, com injeção intravenosa de radionuclídeos, que deve ser realizado preferencialmente com o uso de diurético. Ele dimensiona, também, a função do rim.

O TRATAMENTO da estenose de JUP está indicado quando o paciente apresenta sintomas de obstrução, perda da função renal, desenvolvimento de cálculos renais, infecções urinárias de repetição ou, mais raramente, desenvolvimento de hipertensão de etiologia renal. Historicamente, o procedimento de escolha é a pieloplastia cirúrgica desmembrada. Menos freqüentemente, a abordagem endourológica pode ser realizada, mas com taxas de sucesso menores.

A pieloplastia videolaparoscópica tem ganhado ampla aceitação em centros especializados. É uma cirurgia minimamente invasiva, onde são colocados 3 a 4 portais (trocateres) de 5 e 10mm de diâmetro, por onde entram as pinças para a realização da cirurgia. Tem vantagens sobre a cirurgia aberta em alguns pontos: menor sangramento cirúrgico, menor tempo de hospitalização, retorno mais rápido do paciente às atividades usuais, menor dor no período perioperatório, menor taxa de hérnia incisional e melhor efeito estético da incisão.

 

estenose
Posição dos trocateres na cirurgia de correção de estenose de JUP por videolaparoscopia.
estenose
Este esquema ilustra as etapas da correção cirúrgica da estenose de JUP:
A – ponto de estreitamento da junção pielo-ureteral;
B – o desmembramento (secção e retirada do segmento estenosado) com início da sutura entre os cotos sadios;
C – o reparo terminado com a linha de sutura.
Este vídeo reproduz a correção de uma estenose de Junção do lado direito. A cirurgia foi realizada pelo Dr. Alessandro Rossol.
Cintilografia Renal com DTPA realizada 3 meses após a pieloplastia evidencia excreção simétrica dos dois rins.

 

 

 

Fonte Bibliográfica:

Campbell-Walsh: Tratado de Urologia, 9a. Edição.

Urologia Fundamental, 2010 – Sociedade Brasileira de Urologia.

Fotografias e Vídeos:

Arquivo pessoal do Dr. Alessandro Rossol

Campbell-Walsh: Tratado de Urologia, 9a. Edição.

 

 

 

24 respostas

  1. Boa noite. Fui diagnosticado com estenose de jup com indicação cirúrgica. Gostaria de saber qual o melhor modelo de máquina para executar a cirugia laparoscópica. Fico no aguardo.
    Eduardo

    1. O melhor método é por laparoscopia, que é menos invasivo e tem inúmeras vantagens sobre a técnica aberta. A técnica laparoscópica pode ser tradicional ou robótica. Estas duas técnicas têm resultados muito semelhantes. Talvez a principal diferença seja o custo, que na robótica é mais elevado.

  2. Olá.

    Minha filha tem 4 anos de idade e foi diagnosticada com estenose de JUP.
    Foram realizados ultrassom, cintilografia (estática e dinâmica) e uma uretrocistografia miccional.
    Foi no ultrassom que foi constatado uma hidronefrose no rim esquerdo, o que levou aos outros exames para investigação da causa. A cintilografia apontou padrão obstrutivo, porém a função do rim esquerdo ainda está em 49,7%.
    Já na uretrocistografia não foi constatado refluxo da urina para os rins.
    O uropediatra que analisou os exames recomendou a pieloplastia para evitar que ela tenha complicações no futuro, pois apesar da função do rim afetado estar relativamente preservada, minha filha já apresentou quadro de infecção urinária grave há alguns meses (somente uma vez) e percebi que de vez em quando ela se queixa de dores na lateral do abdômen.
    Minha dúvida é se a cirurgia é realmente necessária, ou se seria melhor apenas monitora-la e caso ela perca mais função renal recorramos a cirurgia. Tenho medo de expor minha filha aos riscos cirúrgicos desnecessariamente .
    Agradeço se puder me ajudar a esclarecer essa questão.
    Atenciosamente.

    1. Conforme o relato acima, todos exames indicam dilatação com obstrução. Além disso, há um fator complicador, que são as infecções urinárias. Desta forma, concordo com o colega Uropediatra que atendeu: cirurgia está bem indicada.

    1. Sim. O paciente fica sondado nas primeiras 24 horas. Normalmente a sonda é retirada na manhã seguinte após o dia da cirurgia.

  3. Bom dia! Quando o rim já está necrosado, o paciente corri riscos de infecções frequentes ? Há risco de o outro órgão ser atingido ? Tenho 43 anos foi detectada a doença em 2009 . Obrigada !

    1. Talvez neste caso seria melhor usar o termo ¨atrofiado¨ no lugar de ¨necrosado¨. Deve ser avaliado se este rim tem ainda função. Se ele perdeu toda a função e o paciente tem infecções urinárias repetidamente, está indicada a remoção deste rim. Caso este rim ainda tenha alguma quantidade satisfatória de função, a correção de estenose de JUP será a melhor conduta.

  4. eu fiz uma ultrassonografia é constou que o meu rins esquerdo está com o sistema coletor dilatado é preciso operar

    gostaria de saber

    1. Somente esta informação não é indicativa de cirurgia. Para se ter um diagnóstico preciso são necessários um quadro clínico típico de estenose de JUP, tomografia computadorizada (de preferência com reconstrução em 3D) e cintilografias renais.

    1. Boa tarde!
      Somente esta informação do ultrassom não ratifica o diagnóstico de estenose da JUP.
      Para maior acurácia, devemos considerar o quadro clínico do paciente (dor, infecções, histórico de litíase renal), a tomografia computadorizada com contraste e a cintilografia renal.
      Com todos esses dados, será possivel afirmar o diagnóstico e decidir pela conduta.
      Att,
      Dr. Rossol

  5. Tenho estenose Jup com vaso anômalo. Meu médico optou pela cirurgia robótica, tem alguma diferença da de vídeo?

    1. As duas técnicas se equiparam para a cirurgia de correção de estenose de JUP. Sangramento, tempo cirúrgico, dor pós operatória, dias de hospitalização, retorno às atividades habituais, tempo de permanência do duplo-J são praticamente iguais. Talvez a única grande difrença seja o valor gasto no procedimento; a cirurgia robótica tem um custo mais elevado.

  6. Meu filho tem 22 anos quando tinha uns 15 anos sentiu uma dor muito forte nas costa na parte inferior depois de um tempo sentiu de novo foi no médico tomou remédio para dor de uns dois anos pra cá vem sentindo essa dor sempre parece q tá cada vez mais freqüente fez uma tomografia e deu suspeita de estenose de jup isso a uns dois anos atrás agora conseguiu fazer outra e deu o mesmo resultado pois estava esperando vaga com o urologista pode considerar que é realmente esse problema que ele tem

  7. Qual o tempo de recuperacao para esse procedimento? Quais retrições do paciente ?apos a cirugia.

    1. Normalmente o paciente que é operado de estenose de JUP permanece hospitalizado por 2-4 dias. Continua recuperação em casa com repouso moderado e exercendo atividades leves por mais uma semana. Aproximadamente 10 dias depois da cirurgia pode retomar atividades diárias habituais, sem esforços, como dirigir, caminhadas curtas, frequentar aulas, trabalho leve. Quatro semanas depois da cirurgia, o cateter duplo-Jé retirado e o paciente é liberado para realizar todas atividades, trabalho, academia e, inclusive, esportes de alta performance.

  8. Olá. Tive esse problema há 9 anos e fiz a cirurgia com o Dr. Rossol. Nunca mais tive nenhum problema do trato urinário. A dedicação e cuidado do Dr. foram espetaculares.

    1. Que legal, Vanessa!!!
      Fico muito feliz ao receber boas notícias suas!
      E o elogio também, é claro!
      Abraço para você e toda família!

    2. Meu médico disse que seria mais indicado agora fazer aberta, pois já fiz a laparoscópica e voltou a estenose, tenho tido muitas dores, infecção tudo que sentia antes. O rim estava muito dilatado e foi feita a colocação do duplo J. Qual a opinião do senhor?

      1. Vc pode fazer com as duas técnicas, aberta ou laparoscópica. Mesmo sendo uma reintervenção eu tenderia a indicar novamente a laparoscópica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?