Biópsia Prostática

A biópsia prostática usualmente é realizada pela via transretal. Pode eventualmente também ser realizada por via percutânea transperineal. É guiada por ultra-sonografia, servindo para obtenção de fragmentos da próstata. Permite avaliação do volume tumoral pelo número de fragmentos comprometidos, pela sua localização e pelo grau de diferenciação celular (Gleason). É o primeiro exame a ser solicitado após o toque retal ou o PSA apresentarem-se alterados.

O Tratado de Urologia Campbell`s relata que a anestesia é desnecessária para realização da biópsia prostática, entretanto 96% dos pacientes que foram submetidos à biópsia sem anestesia dizem que o procedimento dói. 20-33% deles se recusariam a repetir o exame sem anestesia.

Três formas de anestesia são utilizadas para o procedimento:
– aplicação intra-retal de gel com lidocaína
– injeção de lidocaína líquida no espaço periprostático
– sedação anestésica do paciente por médico anestesista

Optamos, na maioria das vezes, pela sedaçao anestésica já que nos preocupamos com a segurança e o conforto do paciente.

Em um estudo, um grupo de pacientes médicos urologistas fora questionado sobre qual a forma de anestesia escolhida caso fossem encaminhados para a realização de biópsia prostática. Surpreendentemente 90% deles escolheram a sedação anestésica como método de anestesia.

A primeira descrição de biópsia de próstata com agulha de Vim Silvermann digitalmente dirigida ao nódulo prostático foi realizada em 1937. Com o advento do ultrassom e seu emprego transretal em 1981, os nódulos não palpáveis passaram a ser visualizados e biopsiados com agulhas apropriadas. Entretanto, o estudo propondo a biópsia com seis punções na linha para-sagital, sistemática e aleatória, revolucionou a técnica de biópsia para o diagnóstico do câncer de próstata (CaP). Esta técnica ficou conhecida como biópsia sextante.

Com o surgimento e o amplo emprego do antígeno prostático específico (PSA), os urologistas necessitavam repetir biópsias com freqüência em pacientes nos quais persistiam os níveis elevados de PSA após a primeira biópsia negativa. Outros autores relataram um ganho no diagnóstico de câncer entre 20% e 35%, quando um maior número de punções era empregado.
Estudo subseqüente demonstrou as vantagens das técnicas de biópsia de próstata com um maior número de fragmentos, geralmente entre 10 e 13 amostras, envolvendo sempre as faces látero-laterais.

INDICAÇÕES PARA BIÓPSIA DA PRÓSTATA:
– presença de nódulos prostáticos detectados no toque retal;
– níveis elevados de PSA (geralmente acima de 4,0 ng/mL, ou correlacionado com a idade);
– pacientes mais jovens (com idade abaixo dos 55 anos) e que tenham PSA acima de 2,5 ng/mL;
– densidade > 0,15;
– velocidade anual de aumento > 0,75 ng/ml.

TÉCNICA DE BIÓPSIA DA PRÓSTATA

Antibioticoprofilaxia: o antibacteriano habitualmente usado é a levofloxacina ou a ciprofloxacina oral na dosagem de 500 mg, uma hora antes do procedimento. Nos pacientes diabéticos,
imunodeprimidos, em uso recente de corticóide, disfunção urinária grave, próstatas > 75 gramas, administra-se mais duas doses subseqüentes a cada 24 horas. Nos casos de portadores de
valvulopatias cardíacas, é necessário utilizarmos esquemas específicos e rigorosos de profilaxia;

– O preparo intestinal, que foi utilizado sistematicamente no passado, não é indispensável na atualidade; sugerimos que nossos pacientes apliquem 2 sachets de MINILAX, via retal, 4 horas antes da biópsia;

– A posição do paciente: decúbito lateral esquerdo com as coxas fletidas;

– O toque retal: um novo exame digital da próstata deve preceder o exame de ultrassom;

– As punções: um aparelho de ultrassom com transdutor “end fire” com agulha é utilizado para se obter, pelo menos, um total de 10 fragmentos representativos de toda a glândula, incluindo sistematicamente as faces látero-laterais.


COMPLICAÇÕES POSSÍVEIS

IMEDIATAS
• Sangramento retal: 2,1%;
• Hematúria: 62%;
• Episódios vaso-vagais: 2,8%.

TARDIAS
• Febre: 2,9%;
• Hematospermia: 9,8%;
• Disúria persistente: 7,2%;
• Infecção: 2,5%;
• Prostatite aguda: 1,8%;
• Uro-sepsis: 0,1%.

RECOMENDAÇÕES E CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PACIENTES QUE FARÃO BIÓPSIA DE PRÓSTATA

IMPORTANTE – Se o paciente estiver tomando AAS ou aspirina, deverá suspender este medicamento uma semana antes do exame.

A) Um dia antes do exame:
Iniciar o uso do antibiótico LEVOXIN 500MG, por via oral, um comprimido à noite.

B) No dia do exame:
1) Trazer exames anteriores de próstata e de Laboratório. Se não tiver, deverá fazer hemograma com contagem de plaquetas mais provas de coagulação sanguínea (TP e KTTP).
2) 4 horas antes da biópsia, aplicar 2 bisnagas de MINILAX ®, por via retal.
3) 8 horas de jejum anteriores ao horário do exame
4) 1 comprimido de LEVOXIN, 500mg, por via oral, na manhã do dia do exame, com uma pequeno gole de água.

C) Após o exame:
1) Tomar um comprimido de LEVOXIN , 500mg, na noite do dia em que foi realizado o exame.
2) Continuar tomando um comprimido de LEVOXIN , 500mg, uma vez ao dia por mais 4 dias.
3) Além do antibiótico, tomar dois comprimidos de 500mg de Paracetamol, de 6/6h, durante dois dias. Se o paracetamol não for suficiente, tomar um comprimido de Movatec®, 15mg, uma vez ao dia, somente se a dor persistir.

OBS: Leia este documento antes do exame. Se não entender, favor nos contactar paras todas as informações necessárias.
O paciente deverá vir com acompanhante e não poderá conduzir veículo após o exame.


Os riscos decorrentes do procedimento são:

Dor, desconforto, sangramento, febre, infecção, abscesso, septicemia, choque anafilático, queda de pressão, desmaio, ardência e retenção urinária.

 

CIÊNCIA DE RISCOS

O paciente e seu(s) familiar(es) declaram estar ciente dos riscos do procedimento e asseveram assumi-lo, autorizando o procedimento, neste ato .


RECOMENDAÇÕES MÉDICAS

O paciente e seu(s) familia(es) se comprometem a obedecer às recomendações médicas a seguir:
– Não interromper a medicação indicada.
– Repouso nas 48 horas seguintes ao exame.
– Controle de sinais vitais, sendo que, quaisquer alterações no estado geral do paciente devem ser comunicadas ao médico responsável.
– Em caso de hemorragia ou qualquer alteração que afete o estado físico, dirigir-se ao Pronto-Socorro mais próximo, avisando sempre ao médico responsável.

CONCLUSÃO

O paciente e respectivo (s) familiar (es) declara (m) -se de pleno acordo com o que consta neste documento e ciente (s) de que a obrigação do médico é de utilizar-se de todos os meios conhecidos pela medicina, disponíveis no local onde se realiza o procedimento, na busca da saúde do paciente. Ficam cientes de que eventuais resultados adversos e imprevisíveis podem ocorrer mesmo diante dos melhores cuidados técnicos aplicados. O procedimento não é isento de complicações. O paciente tem o direito e deve se manifestar caso não queira se submeter ao exame.

Declaro ter recebido este documento em 02 vias uma ficou comigo e a outra foi entregue ao Consultório Médico.

_________/_________/__________.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?