Como fazer a auto-avaliação do câncer testicular?

partial view of doctor writing diagnosis on clipboard while standing near desk

Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) mostram que cerca de 5% do total de casos de câncer entre os homens corresponde ao câncer testicular.

Embora possa parecer um número baixo, o câncer de testículo é o tipo de câncer mais comum em homens entre 15-35 anos. Mas, quando diagnosticada em sua fase inicial, pelo médico urologista, o tratamento permite alta chance de cura.

Mas, antes mesmo da consulta com um médico urologista, o próprio paciente pode fazer um auto-exame, o que contribui para a detecção precoce. Vamos falar um pouco mais sobre esse assunto neste artigo. Acompanhe!

Câncer testicular: por que fazer a auto-avaliação?
Existem muitas campanhas sobre o câncer de mama nas mulheres e sobre a importância do autoexame para a descoberta precoce da doença,o que aumenta as chances de cura no tratamento.

Todavia, pouco se fala sobre a auto-avaliação dos testículos.

Embora tenha altos índices de sobrevivência em todos os estágios, o câncer testicular, quando descoberto tardiamente, obriga o paciente a passar por tratamentos que envolvem, além da cirurgia, radioterapia e quimioterapia com muitos efeitos colaterais.

Contudo, em um autoexame simples é possível identificar a presença de nódulos, que podem ser confirmados em consulta com seu médico urologista.

Como fazer a auto-avaliação dos testículos?
Antes de iniciar o autoexame, é preciso dizer que é normal um testículo ser maior que o outro e se posicionar mais baixo que o outro.

Da mesma forma, devemos destacar que há estruturas póstero-laterais (atrás e ao lado) aos testículos, chamadas de epidídimos, que participam do amadurecimento dos espermatozoides.

Durante o banho, quando os músculos do escroto se relaxam, massageie suavemente um dos testículos com os dedos para sentir sua superfície. Observe se há saliências, protuberâncias, inchaço anormal ou partes mais enrijecidas.

Ao contrário do que muitos imaginam, os tumores de testículos normalmente não causam dor, especialmente quando em fase inicial. Se houver alguma alteração, busque uma consulta com um médico especializado em urologia.

Com que frequência fazer o autoexame?
O mais indicado pelos médicos urologistas, é que o exame aconteça pelo menos uma vez por mês. Isso certamente permite identificar com mais facilidade qualquer alteração nessa parte do corpo do homem.

Quando procurar um médico urologista?
Qualquer alteração nos testículos em termos de tamanho, forma e cor já é um sinal para procurar a consulta com seu urologista.

Entretanto, destacamos que nem sempre a presença de nódulos ou inchado significa que há um tumor maligno ali, pois existem outras doenças que podem provocar alterações no local.

Varicocele: dilatação das veias testiculares.
Cistos: bolhas que podem se formar no testículo, epidídimo ou nas estruturas ao redor do testículo.
Hidrocele: formação de líquido ao redor do testículo.
É importante destacar que o auto-exame não substitui as consultas de rotina e o paciente deve sempre recorrer à experiência do médico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?