Pesquisar
Close this search box.

Os inibidores da fosfodiesterase tipo 5 aumentam o risco de recorrência bioquímica após prostatectomia radical?

A associação entre o uso do inibidor da fosfodiesterase tipo 5 (PDE5i) e a recorrência bioquímica (BCR) após prostatectomia radical (RP) mostrou resultados conflitantes em alguns estudos. Nosso objetivo foi determinar se a exposição ao medicamento PDE5i após PR aumenta o risco de BCR em pacientes submetidos a PR.

Materiais e métodos:

Foi revisada uma base de dados institucional de pacientes com câncer de próstata tratados entre janeiro de 2009 e dezembro de 2020. BCR foi definido como 2 medições de PSA superiores a 0,1 ng/mL. A exposição ao PDE5i foi definida usando uma escala de 0 a 3, com 0 representando nunca uso, 1 uso às vezes, 2 uso regularmente e 3 uso rotineiro. O risco de BCR com qualquer exposição ao PDE5i, a quantidade de exposição e a duração da exposição ao PDE5i foram avaliados por modelos multivariáveis ​​de riscos proporcionais de Cox.

Resultados:

O tamanho da amostra incluiu 4.630 pacientes a serem analisados, sendo 776 pacientes portadores de BCR. A mediana de acompanhamento para pacientes sem BCR foi de 27 (IQR 12, 49) meses. Oitenta e nove por cento relataram tomar um PDE5i em qualquer momento durante os primeiros 12 meses após a PR, e 60% relataram fazê-lo por 6 ou mais meses durante o ano após a PR. Não houve evidência de aumento no risco de BCR associado a qualquer uso de PDE5i (HR 1,05, IC 95% 0,84, 1,31, P = 0,7) ou duração do uso de PDE5i no primeiro ano (HR 0,98 por duração de 1 mês, IC 95% 0,96, 1,00, P = 0,055). O risco oncológico basal foi menor em pacientes que usaram PDE5i, mas as diferenças entre os grupos foram pequenas, sugerindo que é improvável que a confusão residual obscureça qualquer associação causal com BCR.

Conclusões:

A prescrição de PDE5i para homens após Prostatectomia Radical PR pode ser baseada exclusivamente em considerações de qualidade de vida. Os pacientes que recebem PDE5is podem ter certeza de que seu uso não aumenta o risco de Recidiva do Tumor de Próstata BCR.

Fonte Bibliográfica:

https://www.auajournals.org/doi/abs/10.1097/JU.0000000000003823

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

💬 Tire todas suas dúvidas conosco!