Percutânea

percutanea

Etapas da técnica de nefrolitotripsia percutânea em todos os seus momentos até a conclusão da eliminação do cálculo renal:

1) Assim que o paciente está anestesiado, o médico anestesista autoriza o cirurgião a posicionar o paciente e iniciar o procedimento.
2) O paciente é colocado em posição de litotomia (tipo ginecológica, com as pernas abertas).

percutanea

3) Com um cistoscópio, é introduzido um cateter ureteral fino que vai da uretra até o rim do paciente; por este cateter será introduzido, posteriormente, contraste para a visualização da punção do rim.

 

percutanea

4) O paciente é modificado de posição na mesa cirúrgica: o cirurgião, juntamente com toda a equipe médica, posiciona o paciente na mesa para decúbito ventral (de bruços na mesa).

percutanea

5) A antissepsia da pele é novamente realizada, e novos campos cirúrgicos estéreis são colocados sobre o dorso do paciente.

6) Um aparelho de fluoroscopia (raio-X ao vivo) é posicionado ao redor da mesa cirúrgica sobre o paciente; um técnico de radiologia realiza a movimentação e o manuseio deste equipamento durante todo o procedimento.

percutanea

7) É realizada injeção de contraste pelo cateter ureteral e ao mesmo tempo visualizada a anatomia do rim ao vivo. Neste momento, punciona-se a região dorsal do paciente com uma agulha de Chiba. Esta agulha mede aproximadamente 12 cm de comprimento e tem 0,6 mm (22gauge) de espessura.

percutanea
8) Quando a agulha está na posição correta (dentro do sistema coletor do rim), observa-se saída de urina com contraste pela agulha.

percutanea
9) Com agulha na posição correta, introduz-se por ela um fio guia hidrofílico radiopaco, que entra no sistema coletor do rim.

percutanea

10) Realiza-se uma pequena incisão (1-2 cm) na pele do paciente com bisturi.


11) Inicia-se a dilação do trajeto da pele até o rim por intermédio do fio guia.


12) Para a dilatação, utiliza-se um jogo de dilatadores seqüenciais rígidos e controle radiológico instantâneo durante toda a dilatação. Inicia-se pelos mais finos, e na seqüência, passa para os de maior diâmetro.

percutanea

13) Atingindo o maior dilatador (nº 30 F), é posicionada sobre este uma bainha de acesso que comunica diretamente o rim com o meio externo.

percutanea

14) É introduzido por esta bainha um aparelho óptico chamado nefroscópio; por este aparelho o cirurgião consegue visualizar a imagem de dentro do sistema coletor do rim.


percutanea

15) Com a imagem do nefroscópio dentro do rim, o cirurgião localiza o cálculo e inicia a fragmentação do cálculo (nefrolitotripsia percutânea).

percutanea

16) A fragmentação do cálculo pode ser feita com vários tipos de energia: laser, ultrassom, balística e pneumática.

 

percutanea

17) O cálculo vai sendo quebrado e os fragmentos são retirados pela bainha de acesso com uma pinça. O tempo de fragmentação do cálculo depende principalmente do seu tamanho e da sua rigidez.

percutanea

18) Uma pielografia é realizada após a retirada dos fragmentos de cálculo do rim. Este exame consta na injeção de contraste no sistema coletor do rim para verificar sua integridade.

percutanea

19) Após a pielografia, é colocada uma sonda chamada nefrostomia no trajeto onde estava a bainha de acesso. Esta sonda permanecerá entre o rim e a pele do paciente por alguns dias, com drenagem de urina e resíduos em uma bolsa coletora. É uma medida de controle e segurança.

 

percutanea

20) Ao fim do procedimento, o paciente é conduzido pela equipe à sala de recuperação, onde permanecerá por 4 a 6 horas, sendo após encaminhado ao leito.

21) O tempo de hospitalização é de aproximadamente 3 a 6 dias. A nefrostomia é fechada e retirada ainda na internação. Um curativo é realizado no orifício da incisão.

INDICAÇÕES

– Cálculos maiores de 1.5/2 cm no maior diâmetro
– Cálculos Coraliformes

 

percutanea
Raio-X de paciente feminina, 25 anos, com cálculo coraliforme em rim D
percutanea
Urografia Excretora da mesma paciente; agora o contraste demonstra a anatomia dos sistemas coletores renais bilaterais.

0 resposta

  1. Dr. Bom dia

    Fiz esse procedimento recentemente , precisamente dia 15 de agosto. Estou sendo acompanhado de perto pelo Urologista . Gostaria de saber o tempo médio da hematuria no pos operatório, visto que é notório que , pela perfuração renal agressiva , tende a sangrar mesmo. Minha urina apresenta ainda apos 15 dias de procedimento uma coloração muito escura , parecida com um vinho , mesmo me hidratando muito durante o dia . Sua experiência acredita que esta tudo certo ? Pois o uro me relata normalidade . Desde já agradeço a atenção

    1. Sim. É bastante usual o paciente que foi submetido a nefrolitotomia percutânea apresentar urina com um pouco de sangue, cor de chá preto ou um pouco mais escura por algumas semanas após o procedimento. O paciente deve seguir fazendo o acompanhamento com o urologista que realizou a cirurgia.

  2. Tenho um calculo de colariforme de 4.5 cm no rim esquerdo e mais outros calculos maiores que 3 cm tenho infecção urinaria direto trato e volta agora estou esperando pra operar nao sei qual o melhor prosedimento.

    1. Basicamente existem duas cirurgias para o tratamento de cálculos coraliformes: a nefrolitotripsia percutânea e a nefrolitotripsia anatrófica (aberta ou a céu aberto). A anatrófica é uma cirurgia que se realizava mais no passado. Atualmente os urologistas têm realizado mais a técnica percutânea, por ser menos invasiva e por apresentar um risco menor de perda da função renal. Entretanto algumas vezes, na percutânea, o paciente poderá ser submetido a mais de um procerdimento para fazer a retirada completa de todo(s) o(s) cáculo(s).

  3. Realizei este procedimento a 20 dias para retirada de um cálculo de 3 cm, ainda estou com cateter e minha incisão não sarou por completo ainda.
    Minha dúvida é posso já voltar a vida normal? Sair de casa, me abaixar, dirigir. Limpar casa etc…?

    1. Habitualmente os pacientes que são submetidos à percutânea podem voltar às suas atividade leves 10-14 dias após a cirurgia. Atividades pesadas, exercícios e esporte somente após um mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?