Vasectomia

A vasectomia é um método permanente de contracepção. Mesmo sendo um método cirúrgico mais barato, menos invasivo e com menores taxas de complicação que a ligadura tubária (de trompas) nas mulheres, sua taxa de realização é bem menor do que o método de ligadura feminino.

A chance de recanalização espontânea é muito rara. Entretanto, o procedimento pode ser revertido cirurgicamente, com um microscópio cirúrgico com alto índice de sucesso em mãos treinadas para este fim. Leia sobre reversão de vasectomia em https://www.alessandrorossol.com.br/blog/reversao-de-vasectomia/

Muitos pacientes temem ser submetidos à vasectomia pelo medo de disfunção erétil, perda de orgasmo ou ejaculação, ou mesmo desenvolvimento de câncer da próstata. A vasectomia não melhora nem piora a performance sexual do indivíduo. A ejaculação também não sofre nenhuma modificação uma vez que menos de 10% do ejaculado provém dos testículos. Isto é, 90% do volume do ejaculado é proveniente das vesículas seminais e da próstata, não havendo então diminuição deste volume. Muitos estudos já foram realizados com o intuito de identificar uma possível relação entre a cirurgia e o tumor de próstata, mas esta associação nunca foi detectada.


A TÉCNICA

A vasectomia é um procedimento ambulatorial – o paciente não fica hospitalizado; ele será liberado uma ou duas horas após o procedimento, após avaliação médica, se estiver em condições ideais.

vasectomia

Usualmente a anestesia é local, com injeção de alguns mililitros de lidocaína sem vasoconstrictor. Pacientes com sensibilidade álgica aumentada ou aqueles muito ansiosos poderão ser sedados por médico anestesiologista durante o procedimento.

Após a anestesia, são realizadas duas pequenas incisões (uma de cada lado do escroto) de aproximadamente 5mm. O canal deferente (que é o ducto por onde passam os espermatozóides) é localizado e dissecado. Um segmento deste ducto é seccionado.

Segmentos de canais deferentes extraídos na vasectomia (um de cada lado)

Os dois cotos são cauterizados e ligados. Mesmo sendo ligados, as bordas de cada um deles são invertidas para garantir uma maior acurácia do método contraceptivo. Em seguida é realizada uma revisão hemostática (cauterização de peguenos sangramentos) e a pele do escroto é suturada com fio absorvível (um a dois pontos).

PREPARATIVOS E CUIDADOS

O paciente é orientado a realizar retirada dos pêlos do escroto duas horas antes do procedimento. Em seguida deverá tomar uma ducha e lavar a região do pênis e escroto com sabão neutro. Após o banho, secar bem e vestir uma cueca apertada. Ela ajudará a fixar o curativo após a vasectomia. O procedimento deve ser realizado em ambiente morno. Isso ajudará a relaxar o escroto e facilitar o ato cirúrgico.

O tempo cirúrgico médio de uma vasectomia bilateral é de aproximadamente 20 minutos. Após o procedimento ser concluído, o cirurgião urologista realiza um curativo compressivo local no escroto e passa todas as orientações ao paciente sobre cuidados, pomada, curativos, tempo de repouso, medicamentos e retorno à atividade sexual.

Aspecto da cicatriz da incisão uma semana após a vasectomia.

Uma dúvida que muitos pacientes têm é se a vasectomia altera a sua função sexual. Leia sobre isso aqui: https://www.alessandrorossol.com.br/blog/vasectomia-pode-causar-disfuncao-eretil/

*** Leia também sobre a técnica de vasectomia sem bisturi em https://www.alessandrorossol.com.br/blog/vasectomia-sem-bisturi/

**** O Dr. Alessandro Rossol realiza vasectomia pelo convênio Unimed.

Fonte Bibliográfica:

Wein: Campbell-Walsh Urology, 9th ed. Copyright © 2007

Projeto Diretrizes da Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina

Fotografias: Arquivo pessoal – Dr. Alessandro Rossol

Wein: Campbell-Walsh Urology, 9th ed. Copyright © 2007

0 resposta

    1. As chances de sucesso da reversão neste caso, quatro anos após a vasectomia, são grandes. Em torno de 85-90% da presença de espermatozóides no ejaculado um ano após a reversão. Claro que a gestação também depende de fatores da mãe e do casal. É imperativo o exame físico do paciente vasectomizado, anamnese e avaliação laboratorial antes da cirurgia. Considero importante o casal vir à consulta juntos para receberem todas as informações referentes à reversão de vasectomia.

  1. Eu estou gravida estou quase ganhado meu marido fez vasectomia a 2 anos e eu só tive ele como homem são 11 anos juntos ele fez o espermograma só q deu negativo como isso e possível estou desesperada pois ele acha q eu trai ele

    1. A questão que se coloca em discussão aqui é a possibilidade de seu marido ainda estar fértil, mesmo tendo sido submetido à vasectomia.
      Isso pode acontecer sim. Depois de realizar a vasectomia, pode ocorrer recanalização espontânea de um canal deferente e haver passagem de espermatozóides do testículo para o esperma eliminado na ejaculação. A chance da recanalização ocorrer é de aproximadamente uma em cada duas mil vasectomias. Sempre que um paciente realiza vasectomia, é indicado a realização de um espermograma 40 dias após o procedimento ou após 10 ejaculações para termos certeza da azoospermia (ausência de espermatozóides no ejaculado). Somente depois deste exame “zerado”, o paciente vasectomizado é considerado infértil.

  2. Doutor gostaria de saber se depois de feito a vasectomia a ejaculação fica normal ou não sai mais nada ? Tudo fica normal inclusive a ereção?

  3. Bom dia!
    meu marido tem 30 anos, 3 filhos e vivemos juntos ha 4 anos, ele quer fazer a cirurgia, é possivel ele conseguir? obrigada

  4. Gostaria de saber se meu marido pode fazer a vasec pela unimed . Ele tem 37 anos e temos somente uma filha e não queremos mais filhos. Eu tenho alguns problemas de saude foi recomendado a parar com o anti concepcional ?????

    1. Sim, pode. Ele deve vir na consulta para receber as orientações, preencher as guias do convênio e o termo de consentimento, que é obrigatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?