Estudo compara resultados de reposição hormonal para homens hipogonádicos tratados com cipionato de testosterona intramuscular versus enantato de testosterona subcutâneo

hormonalalessandro

O cipionato de testosterona intramuscular (IM-TC) é conhecido por causar aumentos significativos no estradiol (E2), hematócrito (HCT) e antígeno prostático específico (PSA) devido aos seus picos de testosterona suprafisiológicos, enquanto um novo autoinjetor de enantato de testosterona subcutâneo (SCTE-AI) ) foi projetado com uma proporção menor de pico a vale de testosterona para mitigar essas reações. Comparamos a resposta de testosterona total (TT), E2, HCT e PSA ao tratamento com IM-TC versus SCTE-AI.

Materiais e métodos:
Um total de 234 homens hipogonádicos foram tratados com terapia de reposição de testosterona (TRT) via IM-TC 100 mg semanalmente ou SCTE-AI 100 mg semanalmente. Os níveis de TT, E2, HCT e PSA foram obtidos na linha de base e 12 semanas após o tratamento. Diferenças significativas nos níveis basais e pós-tratamento foram identificadas por análise univariada. Modelos de regressão linear determinaram se a modalidade de tratamento estava independentemente associada aos níveis pós-TRT de TT, E2, HCT e PSA.

Resultados:
Pós-TRT, ambas as coortes tiveram aumentos significativos no TT mínimo em comparação com seus níveis basais (IM-TC: 313,6 ng/dL a 536,4 ng/dL, p <0,001; SCTE-AI: 246,6 ng/dL a 552,8 ng/dL, p<0,001). Após a regressão linear, o tipo de modalidade de TRT não se associou aos níveis de TT (p=0,057). SCTE-AI foi independentemente associado com menor E2 pós-terapia (p <0,001) e HCT (p <0,001). Nenhuma das modalidades de TRT foi associada com elevação significativa do PSA pós-terapia (p=0,965).

Conclusões:
Enquanto IM-TC e SCTE-AI fornecem um aumento significativo nos níveis de TT, SCTE-AI está associado a níveis mais baixos de HCT e E2 pós-terapia em comparação com IM-TC após ajuste para covariáveis ​​significativas. SCTE-AI é um sistema de entrega de testosterona eficaz com um perfil de segurança potencialmente preferível em relação ao IM-TC.

Fonte Bibliográfica:

The Journal of Urology, Volume 207, Issue 3, March 2022,Page: 677-683

https://www.auajournals.org/doi/10.1097/JU.0000000000002301

O que é a testosterona?

A testosterona é um dos hormônios mais importantes do sexo masculino, produzidos nos testículos. Ela não apenas controla o desenvolvimento das características sexuais do homem e as funções de reprodução do seu corpo (desejo sexual, ereção, desenvolvimento e maturação do espermatozóide) como também desempenha papel decisivo na sua saúde e bem-estar físico e mental como um todo.

Sabe-se que a deficiência de testosterona pode causar grande variedade de sinais, levando a algumas doenças características do sexo masculino e à redução das ações desse hormônio necessárias à saúde do homem.

Se os sinais e sintomas da andropausa não forem tratados, pode haver agravamento do quadro, como osteopenia, que em alguns casos evolui para osteoporose (diminuição da densidade mineral óssea), levando ao aumento do risco de fraturas. Esse fato pode agravar-se com a redução concomitante da massa muscular. Homens com níveis baixos de testosterona têm chance 66% maior de desenvolver fratura do quadril. A testosterona ainda estimula a produção de glóbulos vermelhos (hemácias), portanto, a anemia pode ser um dos sintomas de andropausa. Os sintomas vão desde alterações de humor, baixa libido até aumento da distribuição de gordura corporal.

Nem todos os homens com deficiência de testosterona apresentam ao mesmo tempo todos os sinais e sintomas de andropausa descritos acima. O quadro normalmente evolui de maneira lenta e progressiva e se acentua de acordo com o grau de deficiência e com o tempo de permanência dos níveis baixos hormonais. Estudos recentes têm demonstrado diminuição da mortalidade em homens com DAEM que realizam reposição hormonal. Esta diminuição de mortalidade se deve principalmente por eventos cardiovasculares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?