Pesquisar
Close this search box.

Segurança cardiovascular da terapia de reposição com testosterona

testosterona

A baixa testosterona (também chamada de hipogonadismo) nos homens pode causar sintomas indesejáveis, como baixa libido, diminuição da energia, alterações de humor, perda de massa muscular e pelos corporais e dificuldades eréteis.

A terapia de reposição de testosterona (TRT) pode tratar a baixa testosterona e melhorar os sintomas masculinos. Estudos anteriores mostraram que homens com hipogonadismo que estão tomando testosterona melhoraram a função sexual, melhoraram a densidade mineral óssea e reduziram a depressão.

Apesar de seus benefícios, historicamente tem havido preocupação e dados conflitantes sobre se o TRT pode ou não aumentar o risco de eventos cardiovasculares. Homens com hipogonadismo têm um risco aumentado de desenvolver doenças cardiovasculares. No entanto, alguns estudos sugeriram que os homens que recebem TRT também podem ter um risco aumentado de acidentes cardiovasculares após o início do tratamento. Dadas essas descobertas conflitantes e a falta de dados definitivos, tanto os pacientes quanto os profissionais de saúde são encorajados a considerar cuidadosamente os riscos e benefícios potenciais da TRT antes de decidir prosseguir com ela, especialmente pacientes com doença cardiovascular existente.

Para esclarecer este tópico, a Food and Drug Administration (FDA) emitiu orientações aos fabricantes de produtos de testosterona para conduzir ensaios clínicos sobre a segurança cardiovascular do TRT. Assim, nasceu o ensaio Terapia de Reposição de Testosterona para Avaliação de Eventos Vasculares de Longo Prazo e Resposta de Eficiência em Homens Hipogonadais (TRAVERSE).

O estudo TRAVERSE foi projetado especificamente para determinar se o TRT resultou em maior risco de eventos cardiovasculares em homens recebendo terapia. Um total de 5.246 homens com idades entre 45 e 80 anos com risco preexistente ou alto de doença cardiovascular e hipogonadismo confirmado foram incluídos neste estudo. Os participantes foram então designados aleatoriamente em uma proporção de 1:1 para um dos dois grupos: 1) o grupo TRT e 2) o grupo placebo. No final, 5.198 participantes receberam pelo menos uma dose de TRT ou placebo (2.596 no grupo TRT e 2.602 no grupo placebo).

Os homens do grupo TRT receberam diariamente um gel transdérmico de 1,62% de testosterona, e os homens do grupo placebo receberam um gel placebo diário que não continha testosterona. Os participantes usaram seus respectivos géis por um período médio de 22 meses.

Por fim, as taxas gerais de eventos cardíacos adversos foram baixas em todos os setores. Eventos cardiovasculares ocorreram em 182 pacientes (7,0%) no grupo TRT e em 190 pacientes (7,3%) no grupo controle ao longo do estudo. Isso mostra que a taxa de eventos cardiovasculares em homens que estavam tomando testosterona não diferiu significativamente da taxa de eventos cardiovasculares em homens que não estavam tomando testosterona. No entanto, os autores descobriram que os pacientes que receberam TRT apresentaram taxas mais altas de fibrilação atrial (arritmia cardíaca), lesão renal aguda e embolia pulmonar.

Dadas essas descobertas sobre a segurança cardiovascular do TRT, os autores do estudo sugerem que os pacientes e seus profissionais podem agora tomar decisões mais informadas sobre sua saúde se estiverem considerando o TRT, mas podem estar em risco de doença cardiovascular.

Para obter mais informações sobre este tópico, leia esta publicação do The New England Journal of Medicine:

References:

Lincoff, A.M., Bhasin, S., Flevaris, P., Mitchell, L.M., Basaria, S., Boden, W.E., Cunningham, G.R., Granger, C.B., Khera, M., Thompson Jr, I.M., & Wang, Q. (2023). Cardiovascular Safety of Testosterone-Replacement Therapy. New England Journal of Medicine.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

💬 Tire todas suas dúvidas conosco!