Ultrassom Peniano com Doppler: um exame não invasivo para avaliar a doença de Peyronie

Alessandro Rossol-96

A Doença de Peyronie é uma doença que geralmente acomete indivíduos de meia-idade. Sua etiologia ainda não é completamente conhecida, porém se acredita que microtraumas repetidos durante a relação sexual iniciariam um processo inflamatório na túnica albugínea (camada dura do pênis que reveste o corpo esponjoso) nos indivíduos suscetíveis.

As lesões causam inflamação da túnica albugínea levando a áreas de espessamento, formação de fibrose e, por último, placas calcificadas. A elasticidade normal da albugínea é perdida na região dos focos de tecido fibrótico. As placas e/ou tecido cicatricial albugíneo são endurecidos e ficam com menor elasticidade, fato esse que impede a distensão normal da albugínea durante a ereção. O lado comprometido não se distende e leva à curvatura durante a ereção, o que dificulta a penetração durante o coito.

A ultra-sonografia peniana é útil e precisa na avaliação da espessura da túnica albugínea. Este exame também poderá demonstrar placas ecogênicas em aproximadamente 25 % dos pacientes e espessamento da túnica albugínea em 75 % dos casos.

A disfunção erétil é outra alteração associada à doença de Peyronie possivelmente pela progressão e extensão do processo de fibrose para o interior dos corpos cavernosos com conseqüente comprometimento vascular e/ou nervoso.

PXL_20210529_193234245

A única desvantagem da ultra-sonografia na avaliação da doença de Peyronie é em relação às placas inflamatórias. Estas são mais bem avaliadas pela ressonância magnética.  Um estudo com ultra-sonografia e mapeamento por Doppler colorido mostrou que 70,6% dos pacientes com Peyronie apresentavam disfunção erétil, sendo que destes 87,5% apresentavam doença vascular associada.

US placa peyronie 1

As placas aparecem ecogênicas preferencialmente na periferia dos corpos cavernosos e predominantemente na face dorsal do pênis, porém, muitas vezes, podem passar despercebidas, principalmente no pênis em estado flácido. Por isso deve-se sempre valorizar a história relatada pelo paciente e o local apontado por ele como ponto de curvatura pois isto tornará mais evidente o local de espessamento albugíneo no local do encurvamento.

Por isso o exame de ultrassom de pênis para avaliar doença de Peyronie deve ser realizado preferencialmente com teste de ereção fármaco-induzido.  Avaliando o pênis do paciente com ereção durante o exame, o médico poderá avaliar melhor a função erétil deste paciente, assim como a anatomia e a complexidade da tortuosidade deste pênis. 

Na nossa clínica, além de um laudo  detalhado, fornecemos ao paciente um vídeo com alguns segundos demonstrando o pênis durante a ereção. Isso possibilita ao urologista ter as melhores informações posssíveis para indicar a melhor conduta para este paciente.

O Dr. Alessando Rossol realiza o Ultrassom Peniano com Doppler na Clínica de Urologia e Andrologia em Porto Alegre. O tempo aproximado do exame é de aproximadamente 45 minutos. É ambulatorial: após a realização do exame, o paciente é liberado com as orientações e cuidados necessários.

Fonte Bibliográfica:

Curso Teórico -Prático de Ultrassom Peniano com Doppler realizado pelo Dr. Rossol no InRAD – HCFMUSP – 28 e 29/05/2021

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?