Recomendações para cirurgia de Prótese Peniana

protese-2

Um grupo de experts andrologistas publicou neste mês, no THE JOURNAL OF SEXUAL MEDICINE, recomendações para cirurgia de Prótese Peniana. São elas:

  1. O  implante de prótese peniana deve ser considerado o melhor método de restaurar a função erétil em homens com disfunção orgânica erétil (DE) refratária após falha ou rejeição de outras opções de tratamento em pacientes com motivação sexual.
  2. Os urologistas têm de realizar histórias médica e sexual (anamnese) e exame físico cuidadoso antes do implante de prótese.
  3. O paciente deve ser informado sobre as opções de tratamento alternativas, expectativas adequados, aumentar os riscos associados com a diabetes, a implantação prévia, tabagismo ativo, e outras comorbidades.
  4. O paciente submetido a implante peniano deve ser informado sobre os potenciais riscos no pré-operatório de complicações e/ou insatisfação, incluindo a infecção e as suas consequências, dor, diminuição do comprimento e perímetro peniano, o prejuízo para os tecidos circundantes, e falha mecânica.
  5. Ao usar uma prótese inflável, e com base na viabilidade, os cirurgiões devem usar dispositivos de antibióticos impregnados ou com revestimento hidrofílico.
  6. Os implantes maleáveis são recomendados para pacientes com destreza manual comprometida, mas pode ser apropriado em outros cenários clínicos.
  7. Para a cirurgia de implante peniano, não há recomendações definitivas podem ser feitas em relação ao local de incisão, protocolo de limpeza pré-operatório e otimização de hemoglobina A1c do paciente.
  8. Antibiótico pré-operatório com cobertura para bactérias gram-positivas e gram-negativas deve ser administrado com os níveis terapêuticos adequados antes de fazer a incisão cirúrgica.
  9. Remoção de pêlos da genitália é deixada ao critério do cirurgião com o objetivo de evitar perturbações da pele traumáticas.
  10. Sempre que possível, os cirurgiões devem usar preparações para a pele à base de álcool na sala de operações como a esfoliação local da cirurgia.
  11. Técnicas para minimizar o contato da prótese com a pele do paciente no ato cirúrgico pode diminuir as taxas de infecção.
  12. Local de incisão: peno-escrotal, infra-púbica, e sub-coronal são as três abordagens principais para inserir a prótese. O método escolhido é baseado no tipo de prótese, anatomia específica do paciente, história cirúrgica e preferência do cirurgião.
  13. O médico deve fornecer adequado acompanhamento pós-cirúrgico para maximizar a satisfação do paciente, avaliar as complicações, e garantir a colocação do dispositivo apropriado.
  14. A cirurgia de revisão do implante peniano deve incluir o uso de irrigação abundante na área de incisão, de preferência com antimicrobianos.
  15. Para a infecção de implante peniano, os cirurgiões devem determinar se há a possibilidade da tentativa de resgate. Não há recomendações podem ser feitas a respeito de qual estratégia de resgate para usar regimes de antibióticos no pós-operatório.
  16. Para o paciente com extrusão da prótese e fibrose corporal, cirurgiões devem estar preparados para executar manobras especializadas, tais como o uso de cavernotomias, corporotomias adicionais, e / ou escavação corporal.
  17. Os pacientes com priapismo, quando irreversível e prolongado, pode ser oferecido implante de prótese cedo para preservar a função erétil e tamanho do pênis.
  18. Ao realizar o implante peniano em pacientes com doença de Peyronie (PD), com deformidades penianas ou Disfunção Erétil associada, os cirurgiões devem realizar manobras de alinhamento adjuvantes, tais como modelagem, plicatura e corporoplastia, ou enxertia, conforme indicação.

 

Recomendamos para que, os pacientes que tenham interesse na colocação de uma prótese peniana, leiam o post https://www.alessandrorossol.com.br/blog/perguntas-e-respostas-sobre-protese-peniana/ . Este tópico de perguntas e respostas é um canal aberto com o  especialista. Ali o paciente poderá esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto. E se ainda permanecer algum questinamento, escreva, envie sua pergunta. Ou marque uma consulta para um atendimento com o Dr. Rossol.

No vídeo acima apresentamos o aspecto do pênis de dois pacientes submetidos a implante de prótese peniana semi-rígida. Os vídeos foram gravados quatro semanas após a cirurgia, quando normalmente o paciente é reavaliado e liberado para reiniciar as relações sexuais.

 

Fonte Bibliográfica:

Penile Prosthesis Surgery: Current Recommendations From the International Consultation on Sexual Medicine

THE JOURNAL OF SEXUAL MEDICINE, April 2016, Volume 13, Issue 4, Pages 489–518

Laurence A. Levine, MD, Edgardo Becher, MD, PhD, Anthony Bella, MD, William Brant, MD, Tobias Kohler, MD, Juan Ignacio Martinez-Salamanca, MD, Landon Trost, MD, Allen Morey, MD

 

 

3 respostas

  1. Tive doença pyroni, depois meu pênis perdeu metade do comprimento e diâmetro..com plante consigo recuperar alguma coisa..Tenho 61 anos..casado..
    Continuo tendo relação mas muito difícil devido ao tamanho reduzido..

  2. Tive doença pyroni, depois disso perdi 50% do comprimento e diâmetro pênis.
    Será que consigo recuperar isso.. sou casado, fica difícil ter relação decido ao tamanho..tenho 61 anos.

    1. Olá Carlos Roberto! Neste caso o ideal é fazer uma cirurgia com liberação da placa, enxerto nesta área e implante das hastes penianas. Pode ser uma prótese maleável ou inflável. Esta semana realizei esta cirurgia num paciente com DE e Peyronie com tortuosidade importante, efeito ampulheta e encurtamento. Resultado ficou muito bom, pênis recuperou tamanho e ficou com boa retilinidade. Na próxima semana irei apresentar o vídeo deste caso no YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Download Formulários

Biópsia por Agulha

Biópsia Prostática

Cirurgia da Curvatura Peniana na Doença de Peyronie

Cistolitotomia

Cistolitotomia Videolaparoscópica

Cistolitotripsia Transcistoscópica

Colocação de Cateter Duplo J Trasureteral

Correção Cirúrgica de Incontinência Urinária

Geral - Operações Cirúrgicas

Implante de Prótese Peniana Maleável

Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO)

Nefrectomia Parcial por Calculose

Nefrectomia Radical com ou sem Linfadenectomia Retroperitonial

Nefrectomia Videolaparoscópica

Nefrectomia Videolaparoscópica do Rim Doador do Transplante Renal

Nefrolitotomia Anatrófica por Calculose Renal

Nefrolitotomia Simples por Calculose Renal

Nefrolitotripsia Associada à Endopielotomia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Transureteroscópica

Nefrolitotripsia Transureteroscópica com Endopielotomia

Nefropaxia Videolaparoscópica

Nefrostomia Percutânea

Orquidopexia

Orquiectomia Bilateral

Orquiectomia Unilateral por via Inguinal

Pielolitotomia (Calculose Renal)

Pieoloplastia Videolaparoscópica

Postectomia

Prostatectomia para H.P.B. Transvesical ou Retropúbica

Prostatectomia Radical Retropúbica com Linfadenectomia

Prostatectomia Radical Videolaparoscópica

Ressecção Transuretral da Próstata

Ressecção Transuretral de Tumor Vesical

Tratamento Cirúrgico da Hidrocele

Tratamento Cirúrgico da Varicocele

Tratamento Cirúrgico Videolaparoscópico de Cisto Renal

Tratamento Endoscópico da Ureterocele

Ureterolitotomia

Ureterolitotripsia Transureteroscópica

Uretrotomia interna

Ureterolitotomia Videolaparoscópica

Nefroureterectomia Videolaparoscópica

Uretroplastia

Vasectomia

Correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita

Open chat
1
💬 Alguma dúvida?
Olá 👋🏻 Podemos te ajudar?